Pular para o conteúdo principal

Introdução ao Livro de Gênesis

O livro de Gênesis é o primeiro livro da Bíblia. É o primeiro do Pentateuco (os Cinco Livros escritos por Moisés). Este livro peculiar abrange milhares de anos da história da Terra e os vários temas religiosos, que são comuns a muitas religiões. A palavra “Gênesis” vem do grego e significa “origem”, “começo”, “nascimento” ou “inicio”. Verdadeiramente é um livro que trata de inícios. Fala-se da criação da Terra, do começo da vida humana neste planeta, da introdução do Evangelho entre os homens, do novo convênio firmado com Adão, e renovado com Enoque, Noé e Abraão, Isaque e Jacó.


O livro é dividido em 50 capítulos – os quais, didaticamente, são distribuídos em oito temas:

1. Gênesis 1-2 – A Criação
2. Gênesis 3 – A Queda de Adão e Eva
3. Gênesis 4-5 – História da primeira família
4. Gênesis 6-10 – A história de Noé e do Dilúvio
5. Gênesis 11 – A Torre de Babel
6. Gênesis 12-25 – A vida de Abraão
7. Gênesis 26-36 – A história de Isaque/Jacó
8. Gênesis 37-50 – José do Egito

O livro de Gênesis contém doutrinas fundamentais para os Santos dos Últimos Dias, que são corroboradas por passagens de outras obras-padrão. Na realidade, as outras obras-padrão (demais livros do Velho Testamento, O Novo Testamento, Livro de Mórmon, Doutrina e Convênios, Pérola de Grande Valor) e as palavras dos profetas modernos ajudam-nos a compreender o significado dos versículos de Gênesis. Alguns versículos são figurativos – e outros literais. O Élder Bruce R. McConkie disse que diferenciar devidamente passagens literais das figurativas “é difícil”, pois “exige considerável experiência e discernimento(...). De modo geral, estaremos mais seguros se considerarmos as coisas literalmente, embora as escrituras estejam repletas de temas figurativos.”

Em seguida, ele exemplificou o que é literal e o que é figurativo citando relatos do livro de Gênesis e de outras escrituras:

“Ocorrências literais incluem falar com Deus face a face, como um homem conversa com seu amigo; o homem ter sido criado à imagem de Deus, tanto física quanto espiritualmente; a vinda de Cristo como Unigênito na carne; o próprio Senhor Jesus habitando na Sião de Enoque; Seu reino pessoal durante o Milênio; a ressurreição de todos os homens com um corpo físico de carne e ossos; etc.
Temas figurativos incluem Enoque andando com Deus; o Senhor Jeová habitando com a antiga Israel; Cristo sendo o pão vivo que desceu do céu; comer Seu corpo e beber Seu sangue na ordenança do sacramento, e assim por diante.” (“A Bíblia, um livro selado”, Suplemento, Simpósio sobre o Novo Testamento, 1984, pg. 1–7).

Outro ponto importante para compreender o livro de Gênesis é entender a finalidade do escrito. Como os outros livros de escrituras sagradas, Gênesis foi escrito para que (1) acreditássemos em Deus, o Pai e em Deus, o Filho, (2) para nosso proveito e instrução, (3) para que adquiríssemos conhecimento sobre nossos antepassados, (4) para ampliar nossa memória, (5) para adquirirmos conhecimento que nos guiará a vida eterna (1 Néfi 19:23, Alma 37:8, 2 Timóteo 3:16, João 5:39). Gênesis, em especifico, fala da Criação e da Queda – dois dos três pilares do Plano Eterno de Deus. Sem compreender a Criação e a Queda não compreendemos corretamente o sacrifício de Jesus Cristo [1] . Gênesis também fala sobre o amor de Deus durante o dilúvio, a importância dos convênios ilustrada pela história de Abraão e a salvação espiritual e física exemplificada pela história de José do Egito.

Cristãos, Muçulmanos, Judeus e algumas outras religiões aceitam o livro de Gênesis como relato sagrado e obra inaugural das sagradas escrituras. É, portanto, extremamente adequado começar um estudo teológico aprofundado a partir dele. Lembramos, porém, que neste intento, como mencionado na introdução, é preciso buscar o mesmo espírito de profecia e revelação que os profetas e santos do passado tiveram ao produzir os textos sacros. Quando fizermos isso vamos nos regozijar, assim como Leí (1 Néfi 5:11), e perceber que as palavras neles contidas são “de grande valor; sim de tão grande valor que [poderemos] preservar os mandamentos do Senhor para nosso filhos” (1 Néfi 5:21). Gênesis poderá servir de convite para que nos arrependamos e sejamos levados a “conhecer o Senhor Deus e a [regozijar-se] em Jesus Cristo, seu Redentor” (Alma 37:9).

_________________

[1] “O plano exigia a Criação, e isso por sua vez exigia a Queda e a Expiação. Esses são os três componentes fundamentais do plano. A criação de um planeta paradisíaco veio de Deus. A mortalidade e a morte foram introduzidas no mundo pela Queda de Adão. A imortalidade e a possibilidade de alcançarmos a vida eterna foram proporcionadas pela Expiação de Jesus Cristo.” (Russell M. Nelson, “A Criação”, Conferência Geral, Abril de 2000; www.lds.org/general-conference/sessions/2000/04)

Postagens mais visitadas deste blog

Uma ponderação sobre a excomunhão de uma Autoridade Geral

Com grande tristeza, por meio do porta-voz da Igreja, Eric Hawkis, soubemos de que James J. Hamula foi excomungado da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Veja a notícia no site oficial da Igreja aqui. James J. Hamula [1] serviu por quase nove anos como uma Autoridade Geral da Igreja, um membro do Quorum dos Setentas. Fazia 28 anos que nenhuma Autoridade Geral era excomungada da Igreja. Certamente a notícia é triste [2], mas ensina lições importantes – que em vez de abalar, podem fortalecer a fé na obra de Deus. Recomendo a leitura deste artigo antes de prosseguir: https://mormonsud.net/voltando-a-igreja/pensamentos-sobre-a-excomunhao/

OS LÍDERES NÃO SÃO PERFEITOS, MAS A OBRA DE DEUS É Fiquei um pouco aborrecido com o sensacionalismo criado em torno da notícia da excomunhão do irmão Hamula. Sei que é algo incomodo, até perturbador. Alguns ficaram preocupados com a imagem da Igreja, outros, mais sensíveis, com a exposição do irmão Hamula e de sua família. Evidentemente n…

Joseph Smith disse ser maior do que Jesus Cristo?

Joseph Smith é o Profeta da Restauração. Quando era apenas um jovem, um anjo lhe disse que seu "nome seria considerado bom e mau entre todas as nações, tribos e línguas, ou que entre todos os povos se falaria bem e mal de [seu] nome." [1]
Não é de se admirar que falem tão mal sobre o Profeta. Comentando sobre isso, o Elder Neil L. Andersen, do Quorum dos Doze Apóstolos, disse:
“Seria de estranhar o mal que é falado contra ele [Joseph Smith]? Do Apóstolo Paulo foi dito que era louco e delirava. Nosso Amado Salvador, o Filho de Deus, foi rotulado de comilão, beberrão e endemoniado. O Senhor disse a Joseph, quanto a seu destino:
“Os confins da Terra indagarão a respeito de teu nome e tolos zombarão de ti e o inferno se enfurecerá contra ti;
Enquanto os puros de coração e os prudentes (…) e os virtuosos procurarão (…) bênçãos sob tuas mãos constantemente”.
Por que o Senhor permite que o mal seja falado ao mesmo tempo que o bem? Um dos motivos é que a oposição às coisas de Deus …

Nepotismo e o Evangelho de Jesus Cristo

Nepotismo é definido como favorecimento de parentes em cargos de responsabilidade. Uma pessoa que possui determinada posição ou cargo de poder beneficia os que possuem vínculo de parentesco - com um emprego, um cargo, um função, uma posição de destaque ou uma responsabilidade. Trata-se de uma prática ruim, pois geralmente desconsidera o mérito e os talentos para levar em consideração os laços familiares.


O evangelho de Jesus Cristo - que é o Plano de Deus para salvação do homem - ensina que todos os homens são iguais perante Deus (Jó 34:19, Atos 10:34, D&C 38:16 e 26) - irmãos e irmãs - porém, possuem talentos diferentes  (Mateus 25:15) - de modo que podem contribuir no Reino de Deus de maneira diversa (1 Coríntios 12:12-27).

Deus organizou Sua Igreja com diversos cargos para "o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo, [para que] todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida …