Pular para o conteúdo principal

A Criação (Gênesis 1-2) - parte E (Terra sem forma, Trevas, Espírito pairando sobre as águas)

E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. Gênesis 1:2


SEM FORMA E VAZIA
Em português lemos que a Terra “era sem forma e vazia”, todavia, em Abraão 4:2 lemos que a Terra estava na verdade “vazia e desolada”, o que também pode ser traduzido por “vazia e desordenada”. Pois se ela estivesse mesmo sem forma alguma haveria uma contradição com o primeiro versículo bíblico.


“E a Terra, depois de formada, estava vazia e desolada, porque eles [os Deuses] não haviam formado coisa alguma a não ser a Terra; e as trevas reinavam sobre a face do abismo e o Espírito dos Deuses pairava sobre a face das águas.” (Abraão 4:2, itálicos adicionados)

“Depois que a terra foi organizada e formada, e ela não era, de maneira alguma, sem forma e vazia; muito pelo contrário, como diz o texto hebraico e através do relato de Abraão, ela era “vazia e desolada”. De fato, no ponto em que começa a descrição da preparação da terra para ser uma morada adequada para o homem, ela se encontrava envolvida pelas águas, sobre as quais o “Espírito de Deus” se movia ou pairava”. (Rasmussen, Introduction to the Old Testament, Vol. 1, pg. 11).

Algumas interpretações bíblicas dão um sentido mais amplo para terra estar informe e vazia, dizendo que neste estágio da Criação havia um “caos absoluto” [1], pois “trevas cobriam o abismo”. Absoluto, não obstante, o caos não podia ser – pois, como já citamos o “Espírito de Deus pairava” – o que significa que havia uma vigia ou um zelo dando ordem e sentido – aspectos evidentes em um processo criativo bem planejado [2].

Entretanto, havia mesmo uma certa desordem nos elementos, os quais precisaram de um impulso criativo divino. Assim os materiais desorganizados foram organizados para possibilitar a vida. “Os primeiros comentários judeus e cristãos sobre a criação presumiam que Deus havia organizado o mundo a partir de materiais pré-existentes, salientando a bondade de Deus na formação de uma ordem que mantivesse a vida.” [3]

Como o pai da igreja no século II Justin Martyr disse: “Foi-nos ensinado que ele no início de sua bondade, por causa do homem, criou todas as coisas a partir de matéria inorganizada” (The First Apology of Justin, em Roberts e Donaldson, Ante-Nicene Fathers, vol I, p. 165). [4]

HAVIA TREVAS SOBRE A FACE DO ABISMO
As trevas aqui mencionadas não se referem à iniquidade, que mais tarde faria a Terra chorar e gemer (Moisés 7:48), e nem às Trevas Exteriores – o lugar para onde serão lançados – e a condição em que se encontrarão – Satanás e seus demônios.

Alguns deduzem que quando éramos “inteligências” despidas de um corpo espiritual [5] estávamos nas Trevas Exteriores, aguardando Deus nos resgatar e nos gerar espiritualmente. Não há escritura que corrobore tal ideia. Na verdade, há indícios de que não estávamos nas Trevas Exteriores, pois “Satanás e suas hostes” irão para um lugar onde jamais estiveram antes (e eles são filhos de Deus, gerados espiritualmente por Ele – como eu e você!). Lembremo-nos que o Reino sem Glória (Trevas Exteriores) é o destino apenas dos que cometerem o pecado imperdoável (D&C 76:35). Além disso, Trevas Exteriores é um lugar e uma condição que ninguém conhece, a não ser os que dela são feitos participantes (D&C 76:46-48).

Se nós (como inteligências) não estávamos em Trevas Exteriores, estaria o planeta Terra nesta condição antes de ser concluída a obra criadora? Não, pois como aprendemos a “Terra vive a lei de um reino celestial, porque cumpre o propósito de sua criação e não transgride a lei” (D&C 88:25, itálicos adicionados).

Mesmo considerando que os elementos que formaram este planeta estavam desorganizados, não podemos supor que houve uma “reciclagem” de materiais e elementos retirados das Trevas Exteriores. Assim o sentido de “havia trevas” sobre a face do abismo é muito mais simples. O abismo é o mar [6] – ou, na ocasião do primeiro dia de Criação – as águas que cobriam o planeta. E havia trevas – escuridão total, pois não havia sido criado a luz – o que ocorrerá somente nos versículos seguintes (Gênesis 1:3-5).

O ESPÍRITO DE DEUS SE MOVIA
Em hebraico o termo “se mover” ou “pairar” que esta na nossa versão em português descreve o que um pássaro ou galinha faz ao incubar e vigiar seus ovos no ninho!

“A tradução “pairar” vem de uma palavra que significa aquilo que uma galinha faz com os ovos e os pintinhos; ela protege, aquece, alimenta e defende. Jesus usou essa analogia de uma galinha reunindo os pintinhos em sua descrição do que Ele faria por Seus seguidores (Mateus 23:37; 3 Néfi 10:3-6) Neste sentido o Espírito ainda está pairando sobre as criações de Deus.” (Manual do Aluno do Curso ‘A Pérola de Grande Valor´- Religião 327 - pg. 41).

Que Espírito zelava pela criação? Em Abraão, conforme já mencionado, lemos que era o “espírito dos Deuses”. Seria o Espírito Santo? Ou seria a “Luz de Cristo” que é chama também de “Espírito de Cristo”?

“A Luz de Cristo é a energia, o poder ou a influência divina que provém da presença de Deus por intermédio de Cristo e dá vida e luz a todas as coisas. A Luz de Cristo influencia as pessoas para o bem e as prepara para que recebam o Santo Espírito. (...) A Luz de Cristo “procede da presença de Deus para encher a imensidade do espaço”. Ela é “a luz que está em todas as coisas, que dá vida a todas as coisas, que é a lei pela qual todas as coisas são governadas” (D&C 88:12–13; ver também D&C 88:6–11). Esse poder é uma influência benéfica na vida de todas as pessoas (ver João 1:9; D&C 93:2). Nas escrituras, a Luz de Cristo é às vezes chamada de Espírito do Senhor, Espírito de Deus, Espírito de Cristo ou a Luz da Vida.” (Tópicos do evangelho, “Luz de Cristo”)

“A força criadora, aqui chamada de “Espírito de Deus”, que age sobre os elementos no sentido de formá-los e prepará-los para suster a vida sobre a terra, pode ser a mesma encontrada em Doutrina e Convênios, chamada de “Luz de Cristo”. É óbvio que o Filho exerceu esse poder, sob as ordens do Pai, conforme podemos ver também através de escrituras como João 1:1-4, Hebreus 1:1-2, Helamã 12:8-14 e Jacó 4:6-9” (Rasmussen, Introduction to the Old Testament, Vol. 1, pg. 11)

SOBRE A FACE DAS ÁGUAS
A Terra estava completamente coberta com água. Sabemos que foi um passo necessário e bem elaborado da Criação, que possibilitou, mais tarde, uma “separação entre águas e águas” (Gênesis 1:6) – formando a hidrosfera, tão necessária para vida que se seguiria [6].

Para finalizar, menciono um aspecto simbólico: o fato da Terra estar coberta de água no inicio. Nós, filhos de Deus, quando nascemos nesta Terra, também estamos envoltos por água, na placenta de nossa genitora! Esse simbolismo prossegue, com maior relevância, no Diluvio – o batismo da Terra, como estudaremos mais tarde.




________________

NOTAS

[1] “E a terra estava um caos absoluto; havia treva sobre a face do abismo, e o RUKHA Ulhim movia-se [pairava] por sobre as águas.” – Interpretação do grupo evangélico “Yaohushua Antares”.

[2] O Elder Russell M. Nelson explicou que “Toda a Criação foi planejada por Deus” e que “cada fase da Criação foi muito bem planejada antes de ser executada (...) O período um [da Criação] incluía a criação do céu atmosférico e da Terra física, terminando com o surgimento da luz e das trevas.” (“A Criação”, Conferência Geral Abril de 2000)

[3] “Tornar-se como Deus”, tópicos do evangelho, fonte: www.lds.org/topics/becoming-like-god?lang=por

[4] ver também Frances Young, ‘Creatio Ex Nihil’: A Context for the Emergence of the Christian Doctrine of Creation” Scottish Journal of Theology 44, nº 1, 1991: 139 – 51; Markus Bockmuehl, “Creation Ex Nihilo in Palestinian Judaism ans Early Christianity”, Scottish Journal of Theology 66, nº 3, 2012: pp. 253–70

[5] “As escrituras podem também falar de inteligência referindo-se ao elemento-espírito que existia antes de sermos gerados como filhos espirituais” (Tópicos do Evangelho, “Inteligência(s)”). Por exemplo, D&C 93:29: “O homem também estava no princípio com Deus. A inteligência, ou seja, a luz da verdade, não foi criada nem feita nem verdadeiramente pode sê-lo.”

[6] “Há diversas teorias a respeito da formação da hidrosfera na Terra. O planeta contêm proporcionalmente mais água na superfície do que outros corpos existentes no sistema solar.
Uma das hipóteses que tem ganhado popularidade entre cientistas é a de que a Terra esteja sujeita a um período de bombardeio de cometas e asteroides ricos em gelo assim tendo água e mais água. Outra teoria que explica o surgimento da hidrosfera diz que, quando a Terra apresentava temperaturas altíssimas, vulcões expeliam vários gases e vapores de água. Esses vapores favoreceram a ocorrência de chuvas, que resfriaram e amenizaram a temperatura do planeta.” (Fonte: Wikipédia)


Postagens mais visitadas deste blog

Uma ponderação sobre a excomunhão de uma Autoridade Geral

Com grande tristeza, por meio do porta-voz da Igreja, Eric Hawkis, soubemos de que James J. Hamula foi excomungado da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Veja a notícia no site oficial da Igreja aqui. James J. Hamula [1] serviu por quase nove anos como uma Autoridade Geral da Igreja, um membro do Quorum dos Setentas. Fazia 28 anos que nenhuma Autoridade Geral era excomungada da Igreja. Certamente a notícia é triste [2], mas ensina lições importantes – que em vez de abalar, podem fortalecer a fé na obra de Deus. Recomendo a leitura deste artigo antes de prosseguir: https://mormonsud.net/voltando-a-igreja/pensamentos-sobre-a-excomunhao/

OS LÍDERES NÃO SÃO PERFEITOS, MAS A OBRA DE DEUS É Fiquei um pouco aborrecido com o sensacionalismo criado em torno da notícia da excomunhão do irmão Hamula. Sei que é algo incomodo, até perturbador. Alguns ficaram preocupados com a imagem da Igreja, outros, mais sensíveis, com a exposição do irmão Hamula e de sua família. Evidentemente n…

Joseph Smith disse ser maior do que Jesus Cristo?

Joseph Smith é o Profeta da Restauração. Quando era apenas um jovem, um anjo lhe disse que seu "nome seria considerado bom e mau entre todas as nações, tribos e línguas, ou que entre todos os povos se falaria bem e mal de [seu] nome." [1]
Não é de se admirar que falem tão mal sobre o Profeta. Comentando sobre isso, o Elder Neil L. Andersen, do Quorum dos Doze Apóstolos, disse:
“Seria de estranhar o mal que é falado contra ele [Joseph Smith]? Do Apóstolo Paulo foi dito que era louco e delirava. Nosso Amado Salvador, o Filho de Deus, foi rotulado de comilão, beberrão e endemoniado. O Senhor disse a Joseph, quanto a seu destino:
“Os confins da Terra indagarão a respeito de teu nome e tolos zombarão de ti e o inferno se enfurecerá contra ti;
Enquanto os puros de coração e os prudentes (…) e os virtuosos procurarão (…) bênçãos sob tuas mãos constantemente”.
Por que o Senhor permite que o mal seja falado ao mesmo tempo que o bem? Um dos motivos é que a oposição às coisas de Deus …

Nepotismo e o Evangelho de Jesus Cristo

Nepotismo é definido como favorecimento de parentes em cargos de responsabilidade. Uma pessoa que possui determinada posição ou cargo de poder beneficia os que possuem vínculo de parentesco - com um emprego, um cargo, um função, uma posição de destaque ou uma responsabilidade. Trata-se de uma prática ruim, pois geralmente desconsidera o mérito e os talentos para levar em consideração os laços familiares.


O evangelho de Jesus Cristo - que é o Plano de Deus para salvação do homem - ensina que todos os homens são iguais perante Deus (Jó 34:19, Atos 10:34, D&C 38:16 e 26) - irmãos e irmãs - porém, possuem talentos diferentes  (Mateus 25:15) - de modo que podem contribuir no Reino de Deus de maneira diversa (1 Coríntios 12:12-27).

Deus organizou Sua Igreja com diversos cargos para "o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo, [para que] todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida …