Pular para o conteúdo principal

Catolicismo – Doutrinas e Dogmas –parte 3

Este texto é uma continuação: Para acessar a Parte 1 clique aqui. Para acessar a  Parte 2 clique aqui.

- Prática Religiosa e Festas – “A prática diminuiu em muitos países de tradição católica (...). As causas gerais são conhecidas há algumas décadas. Na sociedade: migração urbana, ritmos de trabalho, secularização cultural, retorno ao individualismo. Na Igreja: descredito da instituição, desfasamento relativamente à sociedade, crise de vocações.” (TINCQ, Henri, “As Grandes Religiões do Mundo”, editora Laurosse Paris, 2007; pg. 158). No Brasil é comum encontrar católicos que se dizem “não praticantes”, que, todavia não assíduos, frequentam grandes festas católicas, honram o Papa e rezam.
A prática da fé católica inclui a liturgia que é “a celebração do Ministério de Cristo” (Compêndio #218). Trata-se de rituais, ações, sinais, gestos que fazem com que “Cristo [continue] na sua Igreja, com ela e por meio dela, a obra da nossa redenção” (Compêndio #219). A Liturgia da Palavra apresenta a seguinte estrutura (nos domingos e nas solenidades): Primeira leitura: Antigo Testamento (no Tempo Pascal: Atos dos Apóstolos); Salmo Responsorial: versículos de um Salmo intercalados por um refrão, dito por todos; Segunda Leitura: Novo Testamento; Sequencia ao Evangelho (em ocasiões solenes); Aclamação ao Evangelho: Aleluia (ou ouro texto, na Quaresma); Leitura do Evangelho; Homilia (feita pelo presidente da celebração); Profissão de fé (recitando o Credo); Oração dos fiéis, que também é chamada de Oração universal ou Preces dos Irmãos. “Nos outros dias que não são domingos ou solenidades, fazem-se apenas duas leituras, uma d Antigo ou do Novo Testamento e uma do Evangelho.” (Silvano Tenório, “Conhecendo sobre crenças e religiões, ed. 02, “Catolicismo”, CASE EDITORIAL, pg. 18).
A Liturgia Eucarística é a parte mais importante da Missa, do ponto de vista litúrgico, pois contém a sua parte central, a Consagração do Pão e do Vinho – onde esses elementos se tornam literalmente o corpo e sangue de Jesus Cristo.
A missa é uma reunião litúrgica católica. Há vários tipos de missa. Por exemplo: A Missa em Ação de Graças (um devoto solicita ao padre para que celebre uma missa por uma graça alcançada); Missa de defuntos (Chamada também de Réquiem. É celebrada em memoria de falecidos, e pode ser no momento do funeral, no terceiro, sétimo, trigésimo dia após a morte ou no aniversario da morte). Há muitas oportunidades de assistir uma missa em nosso país. A entrada é livre. Todavia, há transmissão por rádio e televisão – e gravações disponibilizadas em vídeos na internet. Assista aqui, por exemplo.
Alguns objetos são usados durante as missas: Patena (para conter o pão); Cálice (para reter o vinho); Galhetas (que levam o vinho e a água para deitar no cálice); Alfaias ou Panos do Altar; Lavabo (composto por bacia, jarra e manustérgio – que servem para lavar as mãos do sacerdote no momento da purificação). Podem ser utilizados também: píxide, turíbulo, bandejas, etc.)
Os cultos são atos centrais dirigidos a Deus (latria clássica) ou aos santos (dulia clássica).
A Igreja Católica possui três grandes festas litúrgicas - Natal, Quaresma e Páscoa. No Natal comemora-se o nascimento de Cristo. Na Quaresma relembram-se os 40 dias de Jesus Cristo no deserto e a Igreja convida seus fiéis a um período de privação, penitência e meditação. “Durante a quaresma, os católicos não comem carne às sextas-feiras. Sua cor litúrgica é o roxo, que significa luto e penitência. De acordo com a igreja, neste período os católicos devem voltar-se a escutar a palavra de Deus, orando, compartilhando com o próximo e praticando boas obras. O início da Quaresma data desde o século 4, com a prática do jejum e da abstinência.” [1] A Páscoa é a “festa litúrgica mais importante para os católicos, a Páscoa celebra a ressurreição de Jesus Cristo. O tempo pascal compreende os 50 dias entre o domingo da ressurreição até o domingo de pentecostes. A Páscoa é comemorada no primeiro domingo após a 1ª lua cheia que cai no dia 21 de março ou depois. Não ocorre antes de 22 de março e nem depois do dia 25 de abril. Como o calendário judeu é baseado na lua, a Páscoa passa a ser móvel no calendário cristão. Para os católicos, Deus teria designado a morte de seu filho no dia da páscoa judaica para criar um paralelo entre a aliança antiga, no sangue do cordeiro imolado, e a nova aliança, no sangue do próprio Jesus Cristo. Nas missas realizadas nos oito domingos deste tempo, a leitura da palavra de Deus está organizada com o intuito de mostrar essa intenção divina. O primeiro livro é sempre dos Atos dos Apóstolos, a história da igreja primitiva, que viveu e difundiu a Páscoa do Senhor Jesus. Já a segunda leitura segue de acordo com os ciclos: a primeira carta de são Pedro, a primeira carta de são João e o livro do Apocalipse.” [2]

- Organização e Estrutura – A Igreja Católica “continua centralizada, devido à projecção do Vaticano e ao papel do sumo pontífice. Foi pelo facto de ser bispo de Roma, sucessor de Pedro, que o papa adquiriu tal primazia, sendo o garante de unidade visível da Igreja e da fé transmitida desde os apóstolos. Como qualquer bispo, o papa exerce o seu ministério pastoral na chefia da sua diocese, embora sua função ultrapasse Roma, porquanto ele é também, enquanto bispo principal, o “pastor da Igreja universal” (TINCQ, Henri, “As Grandes Religiões do Mundo”, editora Laurosse Paris, 2007; pg. 160). O papa tem o poder de convocar concílios (reunião com líderes católicos para decidir questões de fé) e os sínodos (reuniões onde não apenas lideres católicos, mas também representantes de outras classes de fieis são convidados) e promulgar os dogmas (doutrina fundamental). O papa também “cria” cardeais – cuja assembleia (o consistório) constitui o “Senado” do mundo católico.
A Cúria Romana desempenha um papel central na administração da Igreja. Trata-se dos “braços e pernas do papa”: “Para exercer o poder supremo, pleno e imediato sobre a Igreja universal, o Romano Pontífice vale-se dos Dicastérios da Cúria Romana. Estes, por conseguinte, em nome e com a autoridade dele, exercem seu ofício para o bem das Igrejas e em serviço dos Sagrados Pastores.” [3]
O papa é leito por voto de ao menos dois terços (ou em certos casos, de maioria absoluta), dos cardeais em um conclave, à portas fechadas, na Capela de Sistina. Quando o novo papa é escolhido uma fumaça branca anuncia ao mundo a decisão. O papa é Chefe de Estado: chefe do legislativo, judiciário e executivo da “Santa Sé” (nascida do Acordo de Latrão em 1929).
Os bispos são sucessores dos apóstolos e são nomeados pelo papa, exceto os bispos das igrejas orientais (que permanecem autônomas). Os padres é o pastor da comunidade de fiéis e dirige as reuniões em âmbito local. Na Igreja latina exige-se o celibato. Nas igrejas católicas orientais os padres podem ser casados, mas os bispos não.
“É interessante frisar também que, na Igreja, todo o poder é exercido como serviço, ou seja, o Padre é o superior da paróquia, mas esse poder é exercido como serviço aos fiéis. Da mesma forma, o Bispo é superior da sua diocese, mas esse poder é exercido em serviço da sua diocese. Com o Papa não é diferente, ele é o superior da Igreja universal, mas esse poder é exercido em serviço dessa Igreja.” [4]
Ainda é preciso dizer que há ordens e institutos religiosos de origem católica: a família dos beneditinos; pregadores e docentes (Ordem dos Franciscanos, Dominicanos, Carmelitas, etc); Congregações religiosas e laicas (institutos que visam a evangelização ,saúde e educação (Irmãs do Sagrado Coração, Redentoristas, Oblatos de Maria, Salesianos de São João Bosco, etc).
“No século XX, o aparecimento de movimentos atípicos suprimiu um tanto as fronteiras entre os diferentes tipos de institutos religiosos. Caracterizados por uma forte presença de leigo, pelo carácter misto das suas fileiras e, às vezes, até por um recrutamento ecuménico, esses movimentos são, no entanto, muito diferentes: Opus Dei, Renovação Carismática (Emanuel, Caminho Novo, Beatitudes, etc.), comunidades da Arca, de Santo Egídio, Focolari, Legionários de Cristo, etc.” (TINCQ, Henri, “As Grandes Religiões do Mundo”, editora Laurosse Paris, 2007; pg. 165)


- O Vaticano – sede da Igreja Católica, que possui uma Grade Basílica, museus, banco, tipografia, correios, supermercado. Como qualquer Estado possui um hino, uma bandeira, selos e um exército (a Guarda Suíça). [5]

- O Direito Canônico – A Igreja Católica possui seu próprio Direito: o Direito Canônico. Foi estabelecido em 1917 e revisto em 1983. “Em caso de contencioso, os processo são julgados localmente por tribunais diocesanos de primeira ou segunda instância e, posteriormente, por tribunais romanos. Em Roma, o Tribunal da Rota é uma instancia de apelação para todas as causas eclesiásticas. Já o Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica acumula as funções de Supremo Tribunal de Justiça, Conselho de Estado, Conselho Superior de Magistratura e Ministério da Justiça. Do ponto de vista eclesiástico, as penas podem estar relacionadas com uma privação de poder (de ensinar, de pregar, de entrar num local determinado, etc.), assim como com sentenças de suspensão do exercício eclesiástico, de proibição ou de excomunhão. Para os leigos, as causas tradicionais mais conhecidas relacionam-se com pedidos de nulidade de um casamento.” (TINCQ, Henri, “As Grandes Religiões do Mundo”, editora Laurosse Paris, 2007; pg. 167)

Fonte: guiadoestudante.abril.com.br
- Finanças da Igreja – “No século VII, a Igreja já era a maior proprietária de terras do Ocidente. Hoje, a Santa Sé opera no vermelho, mas é dona de um patrimônio bilionário e alvo de denúncias de corrupção (...) O grande alvo das denúncias tem sido o Banco do Vaticano, que já foi acusado de participar de esquemas de propina de políticos e até de lavagem de dinheiro para a máfia. Em setembro de 2010, as autoridades italianas colocaram sob suspeita 30 milhões de dólares depositados numa conta. Em resposta, o papa Bento XVI criou a Autoridade de Informação Financeira - uma espécie de cão de guarda, que chega com a função de prevenir delitos e garantir mais transparência aos negócios papais. Há pelo menos uma década, a Santa Sé tem um orçamento deficitário. "Quando Pedro precisou pagar o imposto do templo, Jesus fez um milagre para ele. Desde então, os papas têm rezado por milagres para conseguir seus objetivos", diz o padre Thomas J. Reese, autor de O Vaticano por Dentro.” [6]


- A formação de padres. De uma maneira geral, a formação de um padre cumpre três etapas: propedêutico (1 ano) - quando o seminarista passa por um processo de adaptação; graduação em filosofia (3 anos); teologia (4 anos) - uma rotina que pode chegar a 12 horas de estudo por dia. [7]

- O Papel de Maria. Maria, mãe de Jesus Cristo, é muito mais que uma santa. Ela é a uma mulher que, por sua santidade excepcional se beneficiou de uma espécie de redenção antecipada – pela qual não nasceu marcada com o pecado original, como todos os demais homens. Ela é, portanto, a Imaculada Conceição. A concepção virginal de Jesus indica que a Virgem deu origem ao Filho de Deus sem passar pela maternidade comum e sem a intervenção carnal de seu esposo. Para os católicos Maria nunca teve relação sexual – e nunca teve outros filhos além de Jesus. Ela permaneceu para sempre virgem [8]. Maria é a “mãe da Igreja” – e possui um culto especifico. Ela já foi até mesmo considerada co-redentora da humanidade ao lado de seu Filho – porém, poucos católicos sustentam tal doutrina hoje.

- Santos – “Há mais de dez mil santos e beatos católicos. Entre as Igrejas ortodoxas e as Igrejas ortodoxas não-calcedonianas (ex: Igreja Ortodoxa Copta), os números podem ser ainda maiores, uma vez que não há um processo fixo de "canonização" e cada jurisdição nestas duas comunidades ortodoxas mantém listas paralelas de santos que podem ou não coincidir parcialmente.” - Veja a lista aqui. “Para Igreja qualquer pessoa batizada pode ser chamada à santidade. Ela oferece como modelo homens e mulheres, religiosos e leigos, com perfis muito diversos. Festejam-nos geralmente no dia de aniversário de morte e os respectivos nomes estão inscritos no calendário universal ou local. Estatuas e relíquias estão instaladas nas igrejas que lhe são dedicadas. Antigamente os bispos tinham o poder de proclamar santos. Hoje, é só na sequencia de um longo inquérito diocesano e, posteriormente de um processo em Roma, que o Papa declara o impetrante beato ou santo. A beatificação exige que lhe seja atribuído, pelo menos um milagre, enquanto a canonização requer dois milagres. Tal regra tem uma exceção:, se se tratar de um mártir.” (TINCQ, Henri, “As Grandes Religiões do Mundo”, editora Laurosse Paris, 2007; pg. 157)

- A Salvação, o Céu; A condenação, o Inferno. Para os católicos Jesus Cristo retornará e julgará os vivos e os mortos. Os justos irão para o céu, e os maus – para o inferno. “Satanás e outros demônios e que falam a Sagrada Escritura e a Tradição da Igreja, de anjos criados bons por Deus transformaram-se em maus, porque com livre e irrevogável escolha rejeitaram a Deus e seu Reino, dando assim origem ao inferno. (Compêndio #74).
“Hoje a Igreja insiste menos na existência de um Purgatório. Essa construção teológica, que foi elaborada paulatinamente, parece bastante contraditória com a noção de “vida eterna” que suprime o tempo. Acontece que essa antecâmara do Paraíso é sempre descrita aqui e acolá como um tempo de provação que permite a purificação prévia e que. Além disso, justifica as orações pelos defuntos. O mesmo acontece com os anjos: a Igreja respeita essas tradições, não as impondo, apesar disso, como um dogma.” (TINCQ, Henri, “As Grandes Religiões do Mundo”, editora Laurosse Paris, 2007; pg. 146)

Sites para saber mais sobre a doutrina Católica:
·         Catecismo e Compêndio: http://www.catolicoorante.com.br/cic/index.html
·         Índice Analítico do Catecismo da Igreja Católica: http://catecismo-az.tripod.com/
·         Doutrina Católica: http://www.catequisar.com.br/index.html
·         Vaticano. Organização da Igreja, biografia dos líderes, eventos: http://w2.vatican.va/content/vatican/pt.html
·         Site com vídeos explicativos: https://padrepauloricardo.org/



_____________

NOTAS

[1] e [2] Fonte: “Conheça as principais festas litúrgicas da Igreja Católica”, Folha Online:  http://www1.folha.uol.com.br/folha/especial/2005/papa/0059.shtml

[3] Decreto: CHRISTUS DOMINUS, 9


[5] Leia mais sobre o Vaticano, clique aqui.

[6] Eduardo SZKLARZ, “A história do patrimônio da Igreja Católica”; Fonte: http://guiadoestudante.abril.com.br/aventuras-historia/historia-patrimonio-igreja-catolica-691563.shtml



[8] “Em que sentido Maria é “sempre virgem”? No sentido de que ela “permaneceu virgem ao conceber seu Filho, virgem ao dá-lo à luz, virgem ao carrega-lo, virgem ao alimentá-lo no seu seio, virgem para sempre” (Santo Agostinho). Portanto, quando os evangelhos falam “irmãos e irmãs de Jesus” trata-se de parentes próximos de Jesus, segundo uma expressão usada na Sagrada Escritura.” (Compêndio #99)

Postagens mais visitadas deste blog

Uma ponderação sobre a excomunhão de uma Autoridade Geral

Com grande tristeza, por meio do porta-voz da Igreja, Eric Hawkis, soubemos de que James J. Hamula foi excomungado da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Veja a notícia no site oficial da Igreja aqui. James J. Hamula [1] serviu por quase nove anos como uma Autoridade Geral da Igreja, um membro do Quorum dos Setentas. Fazia 28 anos que nenhuma Autoridade Geral era excomungada da Igreja. Certamente a notícia é triste [2], mas ensina lições importantes – que em vez de abalar, podem fortalecer a fé na obra de Deus. Recomendo a leitura deste artigo antes de prosseguir: https://mormonsud.net/voltando-a-igreja/pensamentos-sobre-a-excomunhao/

OS LÍDERES NÃO SÃO PERFEITOS, MAS A OBRA DE DEUS É Fiquei um pouco aborrecido com o sensacionalismo criado em torno da notícia da excomunhão do irmão Hamula. Sei que é algo incomodo, até perturbador. Alguns ficaram preocupados com a imagem da Igreja, outros, mais sensíveis, com a exposição do irmão Hamula e de sua família. Evidentemente n…

Joseph Smith disse ser maior do que Jesus Cristo?

Joseph Smith é o Profeta da Restauração. Quando era apenas um jovem, um anjo lhe disse que seu "nome seria considerado bom e mau entre todas as nações, tribos e línguas, ou que entre todos os povos se falaria bem e mal de [seu] nome." [1]
Não é de se admirar que falem tão mal sobre o Profeta. Comentando sobre isso, o Elder Neil L. Andersen, do Quorum dos Doze Apóstolos, disse:
“Seria de estranhar o mal que é falado contra ele [Joseph Smith]? Do Apóstolo Paulo foi dito que era louco e delirava. Nosso Amado Salvador, o Filho de Deus, foi rotulado de comilão, beberrão e endemoniado. O Senhor disse a Joseph, quanto a seu destino:
“Os confins da Terra indagarão a respeito de teu nome e tolos zombarão de ti e o inferno se enfurecerá contra ti;
Enquanto os puros de coração e os prudentes (…) e os virtuosos procurarão (…) bênçãos sob tuas mãos constantemente”.
Por que o Senhor permite que o mal seja falado ao mesmo tempo que o bem? Um dos motivos é que a oposição às coisas de Deus …

Nepotismo e o Evangelho de Jesus Cristo

Nepotismo é definido como favorecimento de parentes em cargos de responsabilidade. Uma pessoa que possui determinada posição ou cargo de poder beneficia os que possuem vínculo de parentesco - com um emprego, um cargo, um função, uma posição de destaque ou uma responsabilidade. Trata-se de uma prática ruim, pois geralmente desconsidera o mérito e os talentos para levar em consideração os laços familiares.


O evangelho de Jesus Cristo - que é o Plano de Deus para salvação do homem - ensina que todos os homens são iguais perante Deus (Jó 34:19, Atos 10:34, D&C 38:16 e 26) - irmãos e irmãs - porém, possuem talentos diferentes  (Mateus 25:15) - de modo que podem contribuir no Reino de Deus de maneira diversa (1 Coríntios 12:12-27).

Deus organizou Sua Igreja com diversos cargos para "o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo, [para que] todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida …