Pular para o conteúdo principal

Dinossauros no Plano de Salvação

Texto: Lucas Guerreiro

Dinossauros são incríveis! Quando eu era pequeno fiquei encantado com essas criaturas pré-históricas. De todos os tamanhos e formas, carnívoros e herbívoros, com chifres e garras: eles instigavam minha imaginação. Colecionei livros, revistas e bonecos. E não perdia um filme ou animação que os envolvia. Meu fascínio era tal que ficava desenhando dinossauros por horas e estudando suas características, tais como seus nomes em latim, os possíveis locais em que viveram, seus hábitos alimentares e suas estruturas magnificas.

Os dinossauros foram minha paixão por toda minha infância e ocuparam uma posição importante durante a minha adolescência: pois fizeram com que eu questionasse a Criação do Mundo, a história da queda de Adão e Eva e meu proposito na Terra. Até hoje, embora eu tenha escolhido um caminho profissional que é bem distante da paleontologia, os dinossauros são relevantes para mim.

A primeira coisa importante a se dizer a respeito dos dinossauros é que eles existiram mesmo! Eu já encontrei algumas pessoas que não acreditam em dinossauros. Elas acham que os milhares de fósseis encontrados pelo mundo são apenas resquícios de animais grandes que morreram no diluvio ou mesmo invenção da mente humana! Bem, se você pensa isso, está muito enganado. Dinossauros de fato viveram. O Elder James E. Talmage, que foi um renomado geólogo e membro do Quórum dos Doze Apóstolos, disse que os animais fossilizados – que incluem os dinossauros “viveram e morreram, de era em era, enquanto a Terra ainda não estava pronta para o homem ser colocado nela.” [1]

A segunda coisa importante a se dizer sobre os dinossauros é que eles NÃO vivem entre nós. Eles não convieram com os homens na mortalidade. Eles provavelmente não estavam no Jardim do Éden – e certamente não se afogaram no dilúvio, como alguns sustentam. Mesmo que ignorássemos os estudos geológicos saberíamos disso pelo próprio relato da Bíblia: Deus preservou, através da Arca de Noé, as espécies animais, inclusive os répteis [2]. Os dinossauros são répteis por excelência – e mesmo que os dinossauros grandões fossem ignorados pela graça divina, os pequenos deveriam ter adentrado na arca – o que, evidentemente, não aconteceu!

Durante minha adolescência investiguei a Teoria da Evolução de Charles Darwin e outras teorias que envolviam os dinossauros, seu desenvolvimento e repentina extinção, além das doutrinas do Evangelho Restaurado de Jesus Cristo. O Espírito Santo concedeu-me um vigoroso testemunho do Evangelho. Mas fiquei intrigado com as muitas opiniões de membros da Igreja e não membros que tentavam mesclar a Teoria da Evolução com o Evangelho ou refutar um ou outro.

Cheguei à conclusão de perguntar à Primeira Presidência da Igreja sobre o tema. Depois de algumas semanas recebi a resposta: uma carta do Elder F.Michael Watson, que na época era secretário da Primeira Presidência. Ele disse que os irmãos da Primeira Presidência haviam lido minha correspondência e solicitado que eu fosse respondido com amor. A tão aguardada resposta dizia simplesmente: “o Senhor não revelou a conexão dos dinossauros com o Plano de Salvação (...) Quanto à decisão se você deve ou não estudar paleontologia é algo que você irá decidir junto com o Senhor.” A carta também trazia algumas citações de Autoridades Gerais afirmando que Adão é o primeiro pai da raça humana e que Deus não nos deu detalhes de “como” criou a Terra.

Essa resposta curta, mas sincera, encheu-me de gratidão. Simplesmente sabemos muito pouco sobre os dinossauros e seu papel no Plano de Salvação. Isso não quer dizer que um dia não saberemos mais. Em Doutrina e Convênios lemos:
“Sim, em verdade vos digo: No dia em que o Senhor vier, ele revelará todas as coisas— Coisas passadas e coisas ocultas que nenhum homem conheceu, coisas da Terra pelas quais foi feita e seu propósito e seu fim— Coisas muito preciosas, coisas que estão no alto e coisas que estão em baixo, coisas que estão dentro da terra e sobre a terra e nos céus.” [3]

Quando li “coisas que estão dentro da Terra” foi como se lesse “fósseis”. Aprendi, portanto que o conhecimento pleno sobre o “papel dos dinossauros no Plano de Deus” seria revelado “no dia” em que o Senhor voltasse. Reconheci, de imediato que, por amor e justiça não sabemos todas as coisas. Se entendêssemos tudo o que nos cerca, ou se tivéssemos respostas com muita facilidade, isso seria, no mínimo, uma evidencia de um Criador finito e fraco. E mais: se Deus nos dissesse tudo o que quiséssemos na hora que exigíssemos: isso seria para nós maldição em vez de bênção [4], pois não podemos suportar todas as coisas agora [5].

Os fósseis (inclusive os fosseis de dinossauros) são uma prova que Deus vive, uma evidencia de uma sabedoria muito superior a nossa. Ele preparou todas as coisas nesta Terra, para que viéssemos, fôssemos provados e voltássemos à presença Dele (1 Néfi 10:18). Interessante que uma das teorias mais aceitas envolvendo os fósseis sugere que os restos de plantas e animais (como os dinossauros), sob certas condições peculiares e especificas (praticamente milagrosas), formam rochas sedimentares, que acabam por virar petróleo. Se for assim, o Senhor, sabendo que usaríamos tanto essa substância permitiu que os fósseis permanecessem embaixo da Terra para, no certo tempo, desfrutarmos do petróleo – tão essencial em nossos dias. Mas isso é apenas uma ideia. Certamente não podemos considerar tudo agora.

O que podemos considerar é que os dinossauros foram extintos. E o fato de terem sido removidos abruptamente do planeta (talvez por um enorme meteoro) não esta em desacordo com o Evangelho, pois Deus extingue os animais para cumprir seus propósitos [6]. Todavia, o mesmo Evangelho também nos ensina que aquilo que morre - ressuscita. Assim, aprendemos que até mesmo os dinossauros ressuscitarão: pois o sacrifício Expiatório de Cristo (que inclui a vitória sobre a morte) foi para toda Criação [7].

Ao nos divertirmos com filmes e desenhos sobre esses animais incríveis – e até especular como viveram e morreram, não podemos permitir as teorias dos homens (que estão sempre mudando) e também nossa própria imaginação destruam nossa fé – que se mostra verdadeira para nosso bem-estar eterno [8].

Aprenderemos mais sobre os dinossauros, por estudo ou por revelação, no devido tempo do Senhor. Enquanto isso podemos nos regozijar com a sabedoria de Deus e esforçarmo-nos por viver nossa religião – pois assim, receberemos “revelação sobre revelação, conhecimento sobre conhecimento, para que [possamos conhecer] os mistérios [de Deus]” [9]




__________________

NOTAS
[1] Tradução livre de “Questions and Answers,” Tambuli, Apr 1988, 29–32. Fonte: https://www.lds.org/liahona/1988/04/questions-and-answers?lang=eng

[2] Gênesis 7:8-9

[3] D&C 101:32-34

[4] Um conhecimento superior ao que somos capazes acaba sendo prejudicial: Jacó 4:14

[5] D&C 50:40, 78:18

[6] Isaías 50:2, D&C 133:68

[7] D&C 76:43

[8] II Timotéo 2:23, Tito 3:9

[9] D&C 42:61



Postagens mais visitadas deste blog

Uma ponderação sobre a excomunhão de uma Autoridade Geral

Com grande tristeza, por meio do porta-voz da Igreja, Eric Hawkis, soubemos de que James J. Hamula foi excomungado da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Veja a notícia no site oficial da Igreja aqui. James J. Hamula [1] serviu por quase nove anos como uma Autoridade Geral da Igreja, um membro do Quorum dos Setentas. Fazia 28 anos que nenhuma Autoridade Geral era excomungada da Igreja. Certamente a notícia é triste [2], mas ensina lições importantes – que em vez de abalar, podem fortalecer a fé na obra de Deus. Recomendo a leitura deste artigo antes de prosseguir: https://mormonsud.net/voltando-a-igreja/pensamentos-sobre-a-excomunhao/

OS LÍDERES NÃO SÃO PERFEITOS, MAS A OBRA DE DEUS É Fiquei um pouco aborrecido com o sensacionalismo criado em torno da notícia da excomunhão do irmão Hamula. Sei que é algo incomodo, até perturbador. Alguns ficaram preocupados com a imagem da Igreja, outros, mais sensíveis, com a exposição do irmão Hamula e de sua família. Evidentemente n…

Joseph Smith disse ser maior do que Jesus Cristo?

Joseph Smith é o Profeta da Restauração. Quando era apenas um jovem, um anjo lhe disse que seu "nome seria considerado bom e mau entre todas as nações, tribos e línguas, ou que entre todos os povos se falaria bem e mal de [seu] nome." [1]
Não é de se admirar que falem tão mal sobre o Profeta. Comentando sobre isso, o Elder Neil L. Andersen, do Quorum dos Doze Apóstolos, disse:
“Seria de estranhar o mal que é falado contra ele [Joseph Smith]? Do Apóstolo Paulo foi dito que era louco e delirava. Nosso Amado Salvador, o Filho de Deus, foi rotulado de comilão, beberrão e endemoniado. O Senhor disse a Joseph, quanto a seu destino:
“Os confins da Terra indagarão a respeito de teu nome e tolos zombarão de ti e o inferno se enfurecerá contra ti;
Enquanto os puros de coração e os prudentes (…) e os virtuosos procurarão (…) bênçãos sob tuas mãos constantemente”.
Por que o Senhor permite que o mal seja falado ao mesmo tempo que o bem? Um dos motivos é que a oposição às coisas de Deus …

Nepotismo e o Evangelho de Jesus Cristo

Nepotismo é definido como favorecimento de parentes em cargos de responsabilidade. Uma pessoa que possui determinada posição ou cargo de poder beneficia os que possuem vínculo de parentesco - com um emprego, um cargo, um função, uma posição de destaque ou uma responsabilidade. Trata-se de uma prática ruim, pois geralmente desconsidera o mérito e os talentos para levar em consideração os laços familiares.


O evangelho de Jesus Cristo - que é o Plano de Deus para salvação do homem - ensina que todos os homens são iguais perante Deus (Jó 34:19, Atos 10:34, D&C 38:16 e 26) - irmãos e irmãs - porém, possuem talentos diferentes  (Mateus 25:15) - de modo que podem contribuir no Reino de Deus de maneira diversa (1 Coríntios 12:12-27).

Deus organizou Sua Igreja com diversos cargos para "o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo, [para que] todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida …