Pular para o conteúdo principal

Manuscrito Spaulding

O texto abaixo foi extraído do site LDS.ORG, “tópicos do Evangelho” - “MANUSCRITO SPAULDING” e também possui inserções do texto “Spaulding Manuscript” do site da BYU – Biblioteca Harold B. Lee.

No início do século XIX, um homem chamado Solomon Spaulding [1] escreveu uma história fictícia a respeito de antigos romanos que vieram para a América do Norte. Alguns críticos da Igreja alegaram que Joseph Smith usou o manuscrito para escrever o Livro de Mórmon. Essa alegação foi desacreditada inúmeras vezes por pessoas tanto de dentro quanto de fora da Igreja. O Livro de Mórmon foi traduzido de antigos registros pelo dom e poder de Deus. Não tem nenhuma relação com o manuscrito Spaulding.


Aqueles que não aceitam o Livro de Mórmon como escritura criaram muitas teorias sobre sua origem. Uma das mais antigas teorias foi a de que o Livro de Mórmon se baseava no manuscrito de Solomon Spaulding (também escrito “Spalding”), uma história fictícia sobre os antigos habitantes da América.

Spaulding nasceu em 1761. Estudou no Dartmouth College, em Nova Hampshire, e foi ordenado ministro religioso. Mais tarde, abandonou o ministério e foi morar em Nova York, depois em Ohio e na Pensilvânia, até seu falecimento em 1816. Nos últimos anos de vida, escreveu um romance que nunca foi publicado. O manuscrito Spaulding é consideravelmente menor que o Livro de Mórmon.

As semelhanças entre o seu manuscrito e o Livro de Mórmon são genéricas e superficiais [2]. A história fictícia de Spaulding fala a respeito de um grupo de romanos que foi desviado do curso por fortes ventos durante uma viagem à Inglaterra e acabou indo parar na América. Um dos romanos narra as aventuras do grupo e a história e cultura do povo que encontraram na América. Uma parte importante do manuscrito descreve duas nações que viviam perto do rio Ohio. Depois de uma longa era de paz entre as duas nações, um príncipe de uma das nações foge com a princesa da outra nação para casarem-se. Devido a intrigas políticas, a fuga resulta em uma grande guerra entre as duas nações e a perda de muitas vidas, mas, no final, o príncipe e a princesa têm um final feliz.

Em 1833, Philastus Hurlbut, que havia sido excomungado da Igreja, tentou coletar informações depreciativas a respeito de Joseph Smith e do Livro de Mórmon. Como parte de seu empenho, Hurlbut conversou com várias pessoas de Ohio que conheciam o Manuscrito Spaulding. Aquelas pessoas assinaram depoimentos alegando que o Livro de Mórmon se baseava na história de Spaulding. A despeito dessas alegações, nem Hurlbut nem outros críticos da Igreja publicaram o Manuscrito Spaulding naquela época, embora estivessem de posse dele. Por fim, o manuscrito se perdeu. Em 1884, um homem chamado L. L. Rice encontrou o manuscrito entre alguns outros documentos que havia comprado e o entregou para o Oberlin College, de Ohio. Rice e James H. Fairchild, reitor do Oberlin College, examinaram o manuscrito e ambos certificaram que ele não poderia ter sido a fonte do Livro de Mórmon. A Igreja publicou a história em 1886 [3].

Como outras tentativas de desacreditar o Livro de Mórmon, a teoria do manuscrito Spaulding baseava-se na crença de que um homem pouco instruído como Joseph Smith não poderia ter criado um livro tão rico em detalhes como o Livro de Mórmon e que, portanto, deve ter obtido o conteúdo dele de alguma outra fonte. Na verdade, Joseph Smith não criou o Livro de Mórmon. Ele o traduziu de antigos registros pelo dom e poder de Deus. Onze testemunhas viram as placas das quais o Livro de Mórmon foi traduzido. Embora algumas dessas pessoas tenham deixado a Igreja, nunca negaram seu testemunho de que o Livro de Mórmon era a palavra de Deus.

Aqueles que desejarem saber se o Livro de Mórmon é verdadeiro podem adquirir esse conhecimento por meio do Espírito Santo, que é prometido a todos os que sinceramente buscarem: “Quando receberdes estas coisas, eu vos exorto a perguntardes a Deus, o Pai Eterno, em nome de Cristo, se estas coisas não são verdadeiras; e se perguntardes com um coração sincero e com real intenção, tendo fé em Cristo, ele vos manifestará a verdade delas pelo poder do Espírito Santo” (Morôni 10:4).

__________________

Notas

[1] Spaulding nasceu em Ashford, Connecticut, em 21 de fevereiro de 1761. Ele serviu na Revolução Americana, mais tarde formou-se na Faculdade de Dartmouth, e tornou-se um clérigo. Em seguida, ele perdeu sua fé na Bíblia, deixou o ministério, e trabalhou sem sucesso em várias ocupações em Nova York, Ohio e Pensilvânia até sua morte, perto de Pittsburgh, em 1816. Foi em 1812 que ele escreveu Manuscrito – o qual ele tentou publicar para se aliviar da pressão das dívidas.

[2] Existem similaridades na explicação das origens tanto do Manuscrito de Spaulding como do Livro de Mórmon. A introdução à obra Spaulding alega que o seu autor estava caminhando perto de Conneaut, Ohio (cerca de 150 milhas a oeste do local em Nova York que Joseph Smith obteve as placas de ouro), quando ele descobriu um inscrito na pedra plana. Ele removeu a pedras com uma alavanca e descobrindo uma caverna na qual jazia uma caixa de pedra contendo vinte e oito rolos de pergaminho. A escrita era em latim. A história é basicamente secular, não possuindo virtualmente nenhum conteúdo religioso. O personagem do romance possuía uma “pedra do vidente”, semelhante aos objetos utilizados por Joseph Smith. No entanto, nenhum dos muitos nomes encontrados em quaisquer dos volumes se correspondem, nem existe a mais remota semelhança nos estilos literários.

[3] Crentes no Livro de Mórmon sentiram-se justificados por esta descoberta, e eles publicaram a obra de Spaulding para mostrar ao mundo que não era a fonte para o Livro de Mórmon.

Postagens mais visitadas deste blog

Uma ponderação sobre a excomunhão de uma Autoridade Geral

Com grande tristeza, por meio do porta-voz da Igreja, Eric Hawkis, soubemos de que James J. Hamula foi excomungado da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Veja a notícia no site oficial da Igreja aqui. James J. Hamula [1] serviu por quase nove anos como uma Autoridade Geral da Igreja, um membro do Quorum dos Setentas. Fazia 28 anos que nenhuma Autoridade Geral era excomungada da Igreja. Certamente a notícia é triste [2], mas ensina lições importantes – que em vez de abalar, podem fortalecer a fé na obra de Deus. Recomendo a leitura deste artigo antes de prosseguir: https://mormonsud.net/voltando-a-igreja/pensamentos-sobre-a-excomunhao/

OS LÍDERES NÃO SÃO PERFEITOS, MAS A OBRA DE DEUS É Fiquei um pouco aborrecido com o sensacionalismo criado em torno da notícia da excomunhão do irmão Hamula. Sei que é algo incomodo, até perturbador. Alguns ficaram preocupados com a imagem da Igreja, outros, mais sensíveis, com a exposição do irmão Hamula e de sua família. Evidentemente n…

Joseph Smith disse ser maior do que Jesus Cristo?

Joseph Smith é o Profeta da Restauração. Quando era apenas um jovem, um anjo lhe disse que seu "nome seria considerado bom e mau entre todas as nações, tribos e línguas, ou que entre todos os povos se falaria bem e mal de [seu] nome." [1]
Não é de se admirar que falem tão mal sobre o Profeta. Comentando sobre isso, o Elder Neil L. Andersen, do Quorum dos Doze Apóstolos, disse:
“Seria de estranhar o mal que é falado contra ele [Joseph Smith]? Do Apóstolo Paulo foi dito que era louco e delirava. Nosso Amado Salvador, o Filho de Deus, foi rotulado de comilão, beberrão e endemoniado. O Senhor disse a Joseph, quanto a seu destino:
“Os confins da Terra indagarão a respeito de teu nome e tolos zombarão de ti e o inferno se enfurecerá contra ti;
Enquanto os puros de coração e os prudentes (…) e os virtuosos procurarão (…) bênçãos sob tuas mãos constantemente”.
Por que o Senhor permite que o mal seja falado ao mesmo tempo que o bem? Um dos motivos é que a oposição às coisas de Deus …

Nepotismo e o Evangelho de Jesus Cristo

Nepotismo é definido como favorecimento de parentes em cargos de responsabilidade. Uma pessoa que possui determinada posição ou cargo de poder beneficia os que possuem vínculo de parentesco - com um emprego, um cargo, um função, uma posição de destaque ou uma responsabilidade. Trata-se de uma prática ruim, pois geralmente desconsidera o mérito e os talentos para levar em consideração os laços familiares.


O evangelho de Jesus Cristo - que é o Plano de Deus para salvação do homem - ensina que todos os homens são iguais perante Deus (Jó 34:19, Atos 10:34, D&C 38:16 e 26) - irmãos e irmãs - porém, possuem talentos diferentes  (Mateus 25:15) - de modo que podem contribuir no Reino de Deus de maneira diversa (1 Coríntios 12:12-27).

Deus organizou Sua Igreja com diversos cargos para "o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo, [para que] todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida …