Pular para o conteúdo principal

Quem é João, o Autor de Apocalipse?

Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu, para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e pelo seu anjo as enviou, e as notificou a João, seu servo
(Apocalipse 1:1)

Zebedeu, um judeu, teve dois filhos muito conhecidos por toda cristandade. Eles foram chamados de Boanerges pelo Salvador, que significa filhos do trovão[1] (Marcos 3:17). O primeiro é Jacó, que por conveniência das (más) traduções, chegou até nós como Tiago (forma grega do hebraico Jacó). E o segundo é João. O nome de João significa "dom de Jeová". Esse João junto com seu irmão Tiago foram escolhidos para servirem no primeiro Quórum de Doze Apóstolos, formado pelo Senhor enquanto estava na mortalidade (Mateus 12:1-5). Mais tarde os dois irmãos, junto com Pedro formaram o Quórum da Primeira Presidência da Igreja Primitiva[2].


João e Tiago eram pescadores e tal como Pedro e André deixaram suas redes para seguirem o Salvador, e tornarem-se pescadores de homens (Mateus 4:18-22). Talvez João fosse o mais jovem do grupo de Apóstolos. Ele é frequentemente retratado na tradição e nas pinturas antigas como um rapaz sem barba, enquanto os outros apóstolos são homens maduros e barbados. Além disso ele esta sempre do lado do Senhor. Ele é conhecido como João, o Amado - não só para distingui-lo de João Batista, a quem ele seguia fielmente antes de encontrar o Cristo, mas indicando uma amizade profunda entre o servo e o seu Senhor[3] (João 13:23; 19:26; 20:2; 21:20).

João também é conhecido como João, o Teólogo; ou João, o Revelador. Isso porque o livro de Apocalipse é de sua autoria. Além do Evangelho que leva seu nome[4], João também escreveu três breves epistolas que estão na parte final do Novo Testamento[5].

A mãe de Tiago e João estava junto a seus filhos quando esses solicitaram a Jesus que lhes fosse permitido um lugar ao lado do Senhor. Seu pedido impulsivo e ousado, movido por um sincero desejo, foi brandamente reprovado - possibilitando o Senhor ensinar preciosas lições sobre humildade, verdadeira grandeza e seu chamado divino (Mateus 20:20-28, Marcos 10:35-41).

João esteve presente em vários eventos privilegiados com o Senhor Jesus Cristo - por exemplo, era um dos três mortais no Monte da Transfiguração com o Salvador (Mateus 17:1-2).

Como bem observa o Élder James E. Talmage, João "foi o primeiro a reconhecer o Senhor ressuscitado nas praias da Galiléia e recebeu de seu lábios imortais a esperança de que seu desejo seria atendido, continuando na carne para ministrar aos homens até que o Cristo retornasse em Sua glória" ("Os Doze Escolhidos", Jesus, o Cristo, pg.215).

João viu todos os seus amigos e familiares morrerem. Alguns, inclusive, morreram de maneira brutal, dando a vida pela Verdade[6]. João ficou na terra sozinho. Ele não morreu. Talvez tenha sido retirado da presença dos homens, e se escondido - pois a Terra mergulhou numa Apostasia profunda, e ele foi proibido de pregar.

Em nossa dispensação, porém, João continua seu ministério. Ele participou diretamente da Restauração do Sacerdócio e continuou e continua a divulgar o evangelho (ver "Apocalipse 10:11 - a autoridade e missão de João e como ele cumpriu e esta cumprindo sua responsabilidade", pg. 263).



__________
NOTAS

[1] O Élder James E. Talmage sugeriu que Tiago e João receberam esse título "possivelmente referindo-se ao zelo que desenvolveram em seu serviço e que, na verdade, às vezes precisava ser refreado, como na ocasião em que desejavam chamar fogo dos céus para destruir os aldeões samaritanos, que haviam recusado hospitalidade ao Mestre (Lucas 9:54) ("Os Doze Escolhidos", Jesus, o Cristo, pg.215).


[2] (Ver John W. Taylor, Collected Discourses, Brian H. Stuy, org. 5 vols., 1987–1992, 4:256.)


[3] Prova da grande confiança que Cristo depositava em João é atestada pelo fato que, pendurado na cruz, Ele incumbiu João de cuidar de Maria - a mãe do Senhor (João 19:20-27).


[4] João escreveu "O Evangelho Segundo João", o quarto livro do Novo Testamento. O Manual do Aluno de Seminário do Novo Testamento, assim apresenta o Evangelho de João: "Os evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas contam muitas das mesmas histórias e seguem basicamente a mesma ordem e padrão. Na maior parte, eles contam o que Jesus fez na Galiléia, mas o evangelho de João inclui muitas histórias diferentes e conta muito mais a respeito do que Jesus fez na Judéia e em Jerusalém. Seguem-se alguns dos ensinamentos e experiências de Jesus que só se encontram em João: O Jesus pré-mortal (ver João 1); Ocasiões em que Jesus testificou a certas pessoas quem Ele, realmente era (ver João 3–4, 8); Jesus é o Pão da Vida e a Água Viva (ver João 6–7); Jesus chama Lázaro de entre os mortos (ver João 11); A lavagem dos pés dos Apóstolos (ver João 13); Ensinamentos a respeito do Espírito Santo (ver João 14–15); A oração de Jesus por Seus Apóstolos (ver João 17); O encargo que Jesus dá a Pedro de “apascentar as Suas ovelhas” (ver João 21)" ("João, um Evangelho Especial"pg. 75).


[5] "É provável que o Apóstolo João (...) tenha escrito essas cartas entre os anos 70 e 100 d. C. Na época, a Igreja estava enfrentando duas dificuldades graves: Os inimigos que não pertenciam à Igreja perseguiam os membros e as pessoas que ensinavam falsidades dentro da Igreja estavam desafiando os líderes e incentivando muitos membros a caírem em apostasia" (Manual do Aluno de Seminário do Novo Testamento, "As Três Epístolas de João"pg. 75).


[6] Tiago, seu irmão, foi decapitado por ordem de Herodes Agripa (Atos 12:1-2).

Postagens mais visitadas deste blog

Uma ponderação sobre a excomunhão de uma Autoridade Geral

Com grande tristeza, por meio do porta-voz da Igreja, Eric Hawkis, soubemos de que James J. Hamula foi excomungado da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Veja a notícia no site oficial da Igreja aqui. James J. Hamula [1] serviu por quase nove anos como uma Autoridade Geral da Igreja, um membro do Quorum dos Setentas. Fazia 28 anos que nenhuma Autoridade Geral era excomungada da Igreja. Certamente a notícia é triste [2], mas ensina lições importantes – que em vez de abalar, podem fortalecer a fé na obra de Deus. Recomendo a leitura deste artigo antes de prosseguir: https://mormonsud.net/voltando-a-igreja/pensamentos-sobre-a-excomunhao/

OS LÍDERES NÃO SÃO PERFEITOS, MAS A OBRA DE DEUS É Fiquei um pouco aborrecido com o sensacionalismo criado em torno da notícia da excomunhão do irmão Hamula. Sei que é algo incomodo, até perturbador. Alguns ficaram preocupados com a imagem da Igreja, outros, mais sensíveis, com a exposição do irmão Hamula e de sua família. Evidentemente n…

Joseph Smith disse ser maior do que Jesus Cristo?

Joseph Smith é o Profeta da Restauração. Quando era apenas um jovem, um anjo lhe disse que seu "nome seria considerado bom e mau entre todas as nações, tribos e línguas, ou que entre todos os povos se falaria bem e mal de [seu] nome." [1]
Não é de se admirar que falem tão mal sobre o Profeta. Comentando sobre isso, o Elder Neil L. Andersen, do Quorum dos Doze Apóstolos, disse:
“Seria de estranhar o mal que é falado contra ele [Joseph Smith]? Do Apóstolo Paulo foi dito que era louco e delirava. Nosso Amado Salvador, o Filho de Deus, foi rotulado de comilão, beberrão e endemoniado. O Senhor disse a Joseph, quanto a seu destino:
“Os confins da Terra indagarão a respeito de teu nome e tolos zombarão de ti e o inferno se enfurecerá contra ti;
Enquanto os puros de coração e os prudentes (…) e os virtuosos procurarão (…) bênçãos sob tuas mãos constantemente”.
Por que o Senhor permite que o mal seja falado ao mesmo tempo que o bem? Um dos motivos é que a oposição às coisas de Deus …

Nepotismo e o Evangelho de Jesus Cristo

Nepotismo é definido como favorecimento de parentes em cargos de responsabilidade. Uma pessoa que possui determinada posição ou cargo de poder beneficia os que possuem vínculo de parentesco - com um emprego, um cargo, um função, uma posição de destaque ou uma responsabilidade. Trata-se de uma prática ruim, pois geralmente desconsidera o mérito e os talentos para levar em consideração os laços familiares.


O evangelho de Jesus Cristo - que é o Plano de Deus para salvação do homem - ensina que todos os homens são iguais perante Deus (Jó 34:19, Atos 10:34, D&C 38:16 e 26) - irmãos e irmãs - porém, possuem talentos diferentes  (Mateus 25:15) - de modo que podem contribuir no Reino de Deus de maneira diversa (1 Coríntios 12:12-27).

Deus organizou Sua Igreja com diversos cargos para "o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo, [para que] todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida …