Pular para o conteúdo principal

Revelação (Apocalipse 1)

Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu, para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e pelo seu anjo as enviou, e as notificou a João, seu servo
(Apocalipse 1:1)


Revelação é a comunicação de Deus com o homem (GEE "Revelação"). Todo livro de Apocalipse é na verdade uma comunicação sagrada, dada por ministração angelical, teofanias e dons espirituais, a João, apóstolo de Jesus Cristo - o qual a recebeu enquanto isolado na ilha de Patmos. O termo "Apocalipse" deriva de uma palavra grega que significa "revelado" ou"descoberto", por isso, em inglês, por exemplo, o nome do livro é Revelation (Revelação).

O propósito do livro de Apocalipse é bem claro. Logo de inicio João esclarece que o livro foi escrito para mostrar aos servos de Deus as coisas que brevemente deveriam acontecer (Apocalipse 1:1). É também propósito de João, testificar a respeito de seu Senhor e Salvador, Jesus Cristo, de quem ele era testemunha pessoal e ocular. Podemos até dizer que o livro de Apocalipse é uma síntese dos atos do Senhor Jesus Cristo para com os homens em toda a História Humana - com ênfase especial nos últimos dias.

Antes de adentrar no estudo do livro de Apocalipse propriamente, investigando a revelação de João, devemos esclarecer mais adequadamente o que vem a ser Revelação e depois falar um pouco sobre quem era João.

Revelação, como mencionei acima, é a comunicação sagrada de Deus com seus filhos.

A revelação ocorre de forma diversificada. Ela pode vir por meio de sonho – como José do Egito, que na juventude sonhou que um dia salvaria sua família (Gênesis 37:5-11); visão – como a Leí, que aprendeu sobre a Árvore da Vida (1 Néfi 8); por ministração angelical, como o Rei Benjamim, que aprendeu sobre o sacrifício de Cristo (Mosias 2:2-4); por uma voz divina, como a João Batista após batizar o Salvador (Mateus 3:17); por uma ideia na mente, como Enos ao orar no bosque para obter perdão (Enos 1:10); ou ainda como um sentimento, como Samuel, o Lamanita, ao declarar ao povo iníquo tudo que o Senhor lhe pusera no coração (Helamã 13:4-5). Todos nós podemos experimentar a revelação. A forma mais comum de revelação, sem dúvida, é a impressão que temos na mente e no coração – uma ideia clara que é confirmada por um sentimento de paz. Como o Senhor disse:
“Eis que te falarei em tua mente e me teu coração, pelo Espírito Santo que vira sobre ti e que habitará em teu coração. Ora eis que este é o espírito de revelação.” (D&C 8:2)

Nessa escritura aprendemos que o Espírito é vital para revelação (Morôni 10:3-5). E que esse Espírito habita em nosso coração – o coração é símbolo da vontade e disposição do homem (GEE "Coração"). O que significa que se nossa vontade e disposição estiverem direcionadas para as coisas de Deus, convidaremos o Espírito a revelar-nos as verdades que o Pai deseja que aprendamos por meio de sentimentos e ideias.

As revelações, novamente, vêm comumente numa voz suave e mansa (II Reis 19:12). Certamente a "voz de trovão" é sentida mais pelos iníquos do que pelos justos. O Senhor não se agrada dos que precisam ser compelidos com fortes revelações para agir justamente (D&C 58:26). Mas por amar os pecadores às vezes revela-se de modo mais drástico a eles (1 Néfi 17:45). O Espírito, contudo, não luta para sempre com o homem, e se a revelação for vez após vez recusada, advirá rápida destruição (2 Néfi 26:11).

Para recebermos revelação devemos pedi-la em oração (Alma 37:37). Os requisitos para a recebermos são: fé em Jesus Cristo, real intenção e coração sincero (Morôni 10:4-5). Algumas perguntas e desejos não poderão ser respondidos e atendidos no tempo que julgamos ser o melhor - isso, porém, será para o nosso bem (D&C 88:64). Mas Deus sempre ouve as orações e sempre as responde, no devido tempo.

Postagens mais visitadas deste blog

Uma ponderação sobre a excomunhão de uma Autoridade Geral

Com grande tristeza, por meio do porta-voz da Igreja, Eric Hawkis, soubemos de que James J. Hamula foi excomungado da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Veja a notícia no site oficial da Igreja aqui. James J. Hamula [1] serviu por quase nove anos como uma Autoridade Geral da Igreja, um membro do Quorum dos Setentas. Fazia 28 anos que nenhuma Autoridade Geral era excomungada da Igreja. Certamente a notícia é triste [2], mas ensina lições importantes – que em vez de abalar, podem fortalecer a fé na obra de Deus. Recomendo a leitura deste artigo antes de prosseguir: https://mormonsud.net/voltando-a-igreja/pensamentos-sobre-a-excomunhao/

OS LÍDERES NÃO SÃO PERFEITOS, MAS A OBRA DE DEUS É Fiquei um pouco aborrecido com o sensacionalismo criado em torno da notícia da excomunhão do irmão Hamula. Sei que é algo incomodo, até perturbador. Alguns ficaram preocupados com a imagem da Igreja, outros, mais sensíveis, com a exposição do irmão Hamula e de sua família. Evidentemente n…

Joseph Smith disse ser maior do que Jesus Cristo?

Joseph Smith é o Profeta da Restauração. Quando era apenas um jovem, um anjo lhe disse que seu "nome seria considerado bom e mau entre todas as nações, tribos e línguas, ou que entre todos os povos se falaria bem e mal de [seu] nome." [1]
Não é de se admirar que falem tão mal sobre o Profeta. Comentando sobre isso, o Elder Neil L. Andersen, do Quorum dos Doze Apóstolos, disse:
“Seria de estranhar o mal que é falado contra ele [Joseph Smith]? Do Apóstolo Paulo foi dito que era louco e delirava. Nosso Amado Salvador, o Filho de Deus, foi rotulado de comilão, beberrão e endemoniado. O Senhor disse a Joseph, quanto a seu destino:
“Os confins da Terra indagarão a respeito de teu nome e tolos zombarão de ti e o inferno se enfurecerá contra ti;
Enquanto os puros de coração e os prudentes (…) e os virtuosos procurarão (…) bênçãos sob tuas mãos constantemente”.
Por que o Senhor permite que o mal seja falado ao mesmo tempo que o bem? Um dos motivos é que a oposição às coisas de Deus …

Nepotismo e o Evangelho de Jesus Cristo

Nepotismo é definido como favorecimento de parentes em cargos de responsabilidade. Uma pessoa que possui determinada posição ou cargo de poder beneficia os que possuem vínculo de parentesco - com um emprego, um cargo, um função, uma posição de destaque ou uma responsabilidade. Trata-se de uma prática ruim, pois geralmente desconsidera o mérito e os talentos para levar em consideração os laços familiares.


O evangelho de Jesus Cristo - que é o Plano de Deus para salvação do homem - ensina que todos os homens são iguais perante Deus (Jó 34:19, Atos 10:34, D&C 38:16 e 26) - irmãos e irmãs - porém, possuem talentos diferentes  (Mateus 25:15) - de modo que podem contribuir no Reino de Deus de maneira diversa (1 Coríntios 12:12-27).

Deus organizou Sua Igreja com diversos cargos para "o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo, [para que] todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida …