Pular para o conteúdo principal

10 Chaves para Compreender Isaías

O nome Isaías significa "Jeová salva" ou "salvação do Senhor". Sua vida e ensinamentos proclamam a mensagem de Cristo e o meio de salvação fornecido por Ele. João diz que "o testemunho de Jesus é o espírito de profecia" (Apocalipse 19: 10). Utilizando isso como critério de avaliação, devemos classificar Isaías entre os maiores dos profetas, por haver testificado de Cristo e sua obra com tanto vigor e eloquência. O próprio Salvador confirma a importância dos escritos de Isaías quando, ao visitar aos nefitas, ordena que examinemos diligentemente as palavras dele (3 Néfi 20: 11).

O Élder Bruce R. McConkie disse: "Se, como muitos supõem, Isaías está entre os profetas mais difíceis de entender, suas palavras contam-se também entre as mais importantes para nós conhecermos e ponderarmos (...) suas palavras proféticas podem e devem brilhar forte no coração de todo membro da Igreja." Ele também disse: "Pode muito bem ser que minha salvação (e a vossa igualmente) simplesmente dependam de nossa capacidade de entendermos os escritos de Isaías tão bem e corretamente com fazia Néfi." ("Ten Keys to Understanding Isaiah", Ensign, outubro de 1973, pg. 80.)

Abaixo esta um extrato do discurso do Élder Bruce R. McConkie - Dez Chaves para Compreender Isaías:


1. GANHE UM CONHECIMENTO TOTAL DO PLANO DE SALVAÇÃO E DOS NEGÓCIOS DE DEUS COM SEUS FILHOS TERRENOS.

O livro de Isaías não é uma obra completa que esboça e explica as doutrinas de salvação, como por exemplo, 2 Néfi e Morôni no Livro de Mórmon. Antes, escreve a pessoas que já sabem - entre outras coisas - que Jesus é o Senhor cujo sangue expiatório concede a salvação, e que fé, arrependimento, batismo, dom do Espírito Santo, e obras de retidão são essenciais para receber uma herança no reino de seu Pai. Para ilustrar, faz-se necessário um conhecimento prévio da pré-existência e da guerra nos céus para reconhecer em Isaías 14 a causa de Lúcifer e suas hostes serem expulsos e enviados para a Terra sem nunca poderem ganhar corpos mortais.


2. APRENDA A POSIÇÃO E O DESTINO DA CASA DE ISRAEL NO ETERNO ESQUEMA DAS COISAS DO SENHOR.

O amor e os interesses de Isaías centram-se na raça escolhida. Suas mais detalhadas e extensas profecias retratam o triunfo e glória da semente de Jacó nos últimos dias. É, sobretudo o profeta da restauração.
Como profetizado por todos os santos profetas desde que o mundo começou, o plano do Senhor pede uma restauração de todas as coisas. Isto é, cada verdade, doutrina, poder, sacerdócio, dom, graça, milagre, ordenança, e obra de poder que tenha sido possuído ou executado em toda a idade da fé voltará outra vez. O Evangelho possuído por Adão residirá nos corações de seus descendentes antes e durante a grande era milenar. Israel - povo escolhido e favorecido do Senhor - uma vez mais possuirá o reino; residirão outra vez em todas as terras de sua herança. Mesmo a Terra retornará a seu estado parasidíaco, e a paz e a perfeição da cidade de Enoque residirá na terra por mil anos.
Estas são as coisas de que Isaías escreveu. De todos os antigos profetas, é esse o registro que preservou as palavras da boa nova da restauração, do Evangelho restaurado, do convênio eterno uma vez mais sendo estabelecido, do reino que está sendo restaurado à Israel, do retorno triunfante do Senhor, e de um reino de esplendor milenar.


3. SABER AS PRINCIPAIS DOUTRINAS QUE ISAÍAS ESCOLHEU PARA ESCREVER.
Suas contribuições doutrinárias principais caem em sete categorias: (a) restauração do evangelho nos últimos dias através de Joseph Smith, (b) coligação de Israel nos últimos dias e seu triunfo e glória finais, (c) vinda do Livro de Mórmon como uma nova testemunha de Cristo e a revolução que eventualmente traz na compreensão doutrinária dos homens, (d) condição apóstata das nações do mundo nos últimos dias, (e) profecias messiânicas relativas à primeira vinda de nosso Senhor, (f) segunda vinda de Cristo e o reino milenar, e (g) dados históricos e a voz profética relativa aos seus próprios dias.
Em tudo isto, vez que outra, a ênfase se centraliza no dia da restauração e sobre a coligação passada, atual, e futura de Israel.
É nosso hábito na Igreja - um hábito nascido de um estudo desleixado e de uma perspectiva limitada – imaginar a restauração do evangelho como um evento já passado e a coligação de Israel como uma idéia que embora em processo, em grande parte já realizada. É verdade que nós temos a totalidade do Evangelho eterno no sentido que nós temos aquelas doutrinas, sacerdócios, e chaves as quais nos permitem ganhar toda a recompensa no reino do nosso Pai. É verdade que um remanescente de Israel está coligado; que alguns de Efraim e Manassés (e alguns outros) vieram para Igreja e foram restaurados ao conhecimento de seu Redentor.
Mas a restauração das verdades maravilhosas conhecidas por Adão, Enoque, Noé, e Abraão começou com dificuldade. A parcela selada do Livro de Mórmon está ainda para ser traduzida. Todas as coisas não serão reveladas até que o Senhor venha. A grandiosa era da restauração está ainda adiante. E a respeito de Israel, seu destino milenar; o dia glorioso em que “o reino, e o domínio, e a majestade dos reinos debaixo de todo o céu serão dados ao povo dos santos do Altíssimo” (Dan. 7:27) está ainda adiante. Nós estamos no início, mas as glórias e as maravilhas transcendentais que serão revelados realizar-se-ão no futuro. Muito de que Isaías – o profeta da restauração - disse ainda deve ser cumprido.
Isaías é conhecido em toda parte como o profeta messiânico por causa da abundância, beleza, e perfeição de suas profecias da primeira vinda de nosso Senhor. E verdadeiramente são mesmo. Nenhum profeta do velho mundo, cujas palavras inspiradas desceram dos céus, pode comparar-se as dele. Além disso, a primeira vinda do messias já ocorreu, e mesmo assim aqueles entre nós que não são dotados com uma maior introspecção espiritual podem olhar para trás e ver no nascimento, ministério, e morte de nosso Senhor o cumprimento das previsões de Isaías.
Mas se nós devemos compreender verdadeiramente os escritos de Isaías, nós não podemos exagerar ou forçar uma realidade clara, embotando o fato de que ele é o profeta da restauração, o vidente poderoso da semente de Jacó que previu nossos dias e que incentivou nossos pais israelitas no seu estado espiritual cansado e desconsolado, com garantias de glória e triunfo vindouros para seus descendentes que retornariam ao Senhor nos últimos dias e que nesse tempo serviriam-no em verdade e retidão.


4. USE O LIVRO DE MÓRMON.No livro de Isaías, como registrado na Versão do Rei Tiago da Bíblia (KJV), há 66 capítulos compostos de 1.292 versículos. Os escritos de Isaías, em uma forma mais perfeita do que encontrado em nossa Bíblia, foram preservados nas placas de latão, e desta fonte os profetas Nefitas citaram 414 versículos e parafrasearam em pelo menos outros 34 (meia dúzia de versículos são citados mais de uma vez ou parafraseados), ou seja, um terço do livro de Isaías (32 por cento, para ser exato) é citado no Livro do Mórmon e outros 3 por cento é parafraseado.
Os profetas do Livro Mórmon - anote isto com cuidado e deixe o seu significado descer sobre você - os profetas do Livro de Mórmon interpretaram as passagens que usaram, como resultado disso este volume de escritura dos últimos dias se transforma em uma testemunha para revelar as verdades das profecias deste principal livro do Velho Testamento. O Livro de Mórmon é o maior comentário do mundo do livro de Isaías.
Eu posso ressaltar e afirmar a este respeito que ninguém, absolutamente ninguém, nesta época e dispensação têm ou fazem ou podem compreender os escritos de Isaías até primeiramente aprender e acreditar no que Deus revelou pelas bocas de suas testemunhas Nefitas como estas verdades são encontradas nesse volume de escritura sagrada de que eles mesmos juraram: ”... e assim como vive vosso Senhor e vosso Deus, ele é verdadeiro.” (D&C 17:6.) Porque Paulo diria, “... como não tinha outro maior por quem jurasse, jurou por si mesmo” (Hebreus 6:13), digo em Seu próprio nome que o Livro de Mórmon, e conseqüentemente os escritos de Isaías gravados nele, são sua própria mente e voz. Os santos de Deus sabem desse modo que as especulações sectárias relativas ao Deutero-Isaías e a outros autores parciais do livro de Isaías são como uma zona de conforto em que os intelectuais dentro e fora da igreja se submetem nesciamente.


5. USE AS REVELAÇÕES DOS ÚLTIMOS DIAS.
O Senhor por revelação direta em nossos dias examina, interpreta, aprova, esclarece, e amplia a compreensão sobre os escritos de Isaías.
Quando Morôni veio a Joseph Smith em 21 setembro1823, o santo mensageiro “citou o décimo primeiro capítulo de Isaías, dizendo que estava a ponto de ser cumprido.” (Joseph Smith - História 1:40.) A seção 113 de Doutrina e Convênios contém interpretações reveladas dos versículos dentro dos capítulos 11 e 52 de Isaías. Seção 101 detém a chave para uma compreensão do capítulo 65 dos escritos do antigo profeta, os capítulos 35, 51, 63 e 64 são abertos claramente a nossa vista por causa do que o Senhor tem a dizer na seção 133. Com referência às notas de rodapé em Doutrina e Convênios, temos ao redor de cem exemplos em que as revelações dos últimos-dias citam especificamente, parafraseiam, ou interpretam a linguagem usada por Isaías a fim de nos aproximarmos daquelas impressões do Espírito Santo que foram colocadas dentro de sua alma há uns 2500 anos antes.
Há também, numerosas alusões e explanações das palavras do grande vidente nos sermões de Joseph Smith e outros inspirados professores da retidão desta dispensação. Assim freqüentemente utilizam-se somente de uma declaração profética, revelando o tempo, lugar ou o sujeito envolvido em uma passagem particular nos escritos de algum profeta, causando a passagem inteira e a todas as relacionadas um brilho com seus significados e importância verdadeiros.
Se verdadeiramente usarmos revelação para compreender revelação, é mais natural procurar o que o Senhor Jeová disse, porque ele revelou as verdades antigamente, e revelou as mesmas verdades eternas hoje e assim ligando suas palavras antigas e modernas, podemos ser abençoados pelo conhecimento por ele dito em todas as épocas.


6. APRENDA COMO O NOVO TESTAMENTO INTERPRETA ISAÍAS.
Isaías é o profeta dos profetas; suas palavras vivem nos corações daqueles que foram os autores das sagradas escrituras. É citado ao menos 57 vezes no Novo Testamento. Paulo é seu discípulo principal, citando suas palavras umas vinte vezes em suas várias epístolas. Pedro usa-o como a autoridade em sete exemplos. É citado também sete vezes em Mateus, cinco vezes em Marcos, Lucas, e Atos, e quatro vezes em João e no Apocalipse. Algumas destas citações são repetidas, algumas são de natureza messiânica, e todos estabelecem os significados revelados da escrita original.


7. ESTUDE ISAÍAS EM SEU CONTEXTO DO VELHO TESTAMENTO.Outros profetas do Velho Testamento pregaram as mesmas doutrinas e apresentaram as mesmas esperanças para Israel que eram a repetição das próprias expressões de Isaías. Para saber inteiramente o significado de Isaías, é essencial saber o que seus companheiros profetas tiveram para dizer dentro das mesmas circunstâncias e nos mesmos assuntos. Por exemplo, Isaías 2:2-4 é citado dentro Miquéias 4:1-3. Após Isaías fazer esta grande profecia sobre todas as nações que fluirão ao templo construído por Israel coligada nos últimos dias, descreve certos eventos do milênio que se seguirão a esta coligação. Miquéias faz a mesma coisa em princípio, exceto que sua lista de eventos milenares refere-se também a outros assuntos que amplia assim nossa compreensão da matéria. De modo que nós estejamos certos destas coisas, as citações levantadas do Senhor dos capítulos 4 e 5 de Miquéias, seja visto pela referência a 3 Néfi, capítulos 20 e 21.


8. APRENDA A MANEIRA DE PROFETIZAR USADA ENTRE OS JUDEUS NOS DIAS DE ISAÍAS.
Uma das razões de muitos nefitas não compreenderem as palavras de Isaías era que não sabiam “... o modo de profetizar dos judeus.” (2 Ne 25:1.) e assim é com toda a cristandade, e com muitos Santos dos Últimos Dias.
Néfi escolheu falar suas palavras proféticas em clareza e em simples declarações. Mas entre seus companheiros profetas hebreus não era sempre apropriado fazer assim. Por causa da iniqüidade dos povos, Isaías e outros falaram freqüentemente por figuras, usando ilustrações e símbolos para ilustrar os seus pontos. Suas mensagens foram escondidas nas parábolas. (2Néfi 25:1-8.)
Por exemplo, a profecia do nascimento virginal é introduzida no meio de uma recitação de ocorrências históricas locais de modo que o ignorante espiritual poderia interpretar como algum acontecimento antigo e desconhecido que não teve nenhum relacionamento com o nascimento do Senhor Jeová na mortalidade uns 700 anos mais tarde. (Isaías 7.) Similarmente, muitos capítulos que tratam da apostasia dos últimos dias e a segunda vinda de Cristo são escritos relacionados às nações antigas cuja destruição era um símbolo, uma figura, e uma metáfora, daquele que cairia em cima de todas as nações quando o grande e terrível dia do Senhor vier finalmente. Os capítulos 13 e 14 são exemplo disto. Uma vez que nós aprendermos este sistema e usarmos as chaves interpretativas encontrado no Livro do Mórmon e com as revelações dos últimos dias, nós logo encontraremos as passagens de Isaías se abrindo à nossa vista.


9. TENHA O ESPÍRITO DA PROFECIA.
Em última análise não há nenhuma maneira, absolutamente nenhuma, para compreender algumas escrituras exceto que se tenha o mesmo espírito de profecia que descansou em cima de quem expressou a verdade em sua forma original. Escrituras vêm de Deus pelo poder do Espírito Santo. Não se origina no homem. Significa somente que o Espírito Santo pensa que significa. Para interpretá-la, nós devemos ser iluminados pelo poder do Espírito Santo. (2 Pedro 1:20-21.) é necessário um profeta para compreender um profeta, e cada membro fiel da Igreja deve ter “o testemunho de Jesus” que “é o espírito de profecia.” (Apoca. 19:10.) “as palavras de Isaias” disse Néfi, “... são, não obstante, claras a todos os que estão cheios do espírito de profecia.” (2Néfi 25:4.) isto é a soma e a substância da matéria inteira e um fim a toda a controvérsia concernente a onde descobrir a mente e a vontade do Senhor.


10. DEVOTE-SE AO ESTUDO ÁRDUO E CONSCIENTE.

Ler, ponderar e orar - versículo por versículo, pensamento por pensamento, passagem por passagem, capítulo por capítulo! Como Isaías mesmo pede: “A quem, pois, se ensinaria o conhecimento? E a quem se daria a entender doutrina? Ao desmamado do leite, e ao arrancado dos seios? Porque é mandamento sobre mandamento, regra sobre regra, um pouco aqui, um pouco ali.” (Isaías 28:9-10.)
Vamos então visualizar rapidamente os 66 capítulos que compreendem os escritos deste homem, que de acordo com a tradição foi serrado ao meio por seu testemunho de Jesus, e um esboço que será o bastante para guiar-nos em uma análise mais detalhada.

Postagens mais visitadas deste blog

Uma ponderação sobre a excomunhão de uma Autoridade Geral

Com grande tristeza, por meio do porta-voz da Igreja, Eric Hawkis, soubemos de que James J. Hamula foi excomungado da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Veja a notícia no site oficial da Igreja aqui. James J. Hamula [1] serviu por quase nove anos como uma Autoridade Geral da Igreja, um membro do Quorum dos Setentas. Fazia 28 anos que nenhuma Autoridade Geral era excomungada da Igreja. Certamente a notícia é triste [2], mas ensina lições importantes – que em vez de abalar, podem fortalecer a fé na obra de Deus. Recomendo a leitura deste artigo antes de prosseguir: https://mormonsud.net/voltando-a-igreja/pensamentos-sobre-a-excomunhao/

OS LÍDERES NÃO SÃO PERFEITOS, MAS A OBRA DE DEUS É Fiquei um pouco aborrecido com o sensacionalismo criado em torno da notícia da excomunhão do irmão Hamula. Sei que é algo incomodo, até perturbador. Alguns ficaram preocupados com a imagem da Igreja, outros, mais sensíveis, com a exposição do irmão Hamula e de sua família. Evidentemente n…

Joseph Smith disse ser maior do que Jesus Cristo?

Joseph Smith é o Profeta da Restauração. Quando era apenas um jovem, um anjo lhe disse que seu "nome seria considerado bom e mau entre todas as nações, tribos e línguas, ou que entre todos os povos se falaria bem e mal de [seu] nome." [1]
Não é de se admirar que falem tão mal sobre o Profeta. Comentando sobre isso, o Elder Neil L. Andersen, do Quorum dos Doze Apóstolos, disse:
“Seria de estranhar o mal que é falado contra ele [Joseph Smith]? Do Apóstolo Paulo foi dito que era louco e delirava. Nosso Amado Salvador, o Filho de Deus, foi rotulado de comilão, beberrão e endemoniado. O Senhor disse a Joseph, quanto a seu destino:
“Os confins da Terra indagarão a respeito de teu nome e tolos zombarão de ti e o inferno se enfurecerá contra ti;
Enquanto os puros de coração e os prudentes (…) e os virtuosos procurarão (…) bênçãos sob tuas mãos constantemente”.
Por que o Senhor permite que o mal seja falado ao mesmo tempo que o bem? Um dos motivos é que a oposição às coisas de Deus …

Nepotismo e o Evangelho de Jesus Cristo

Nepotismo é definido como favorecimento de parentes em cargos de responsabilidade. Uma pessoa que possui determinada posição ou cargo de poder beneficia os que possuem vínculo de parentesco - com um emprego, um cargo, um função, uma posição de destaque ou uma responsabilidade. Trata-se de uma prática ruim, pois geralmente desconsidera o mérito e os talentos para levar em consideração os laços familiares.


O evangelho de Jesus Cristo - que é o Plano de Deus para salvação do homem - ensina que todos os homens são iguais perante Deus (Jó 34:19, Atos 10:34, D&C 38:16 e 26) - irmãos e irmãs - porém, possuem talentos diferentes  (Mateus 25:15) - de modo que podem contribuir no Reino de Deus de maneira diversa (1 Coríntios 12:12-27).

Deus organizou Sua Igreja com diversos cargos para "o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo, [para que] todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida …