Pular para o conteúdo principal

A história da pioneira mórmon negra

Milhares de novos conversos chegaram a Nauvoo com entusiasmo e expectativa no início dos anos 1840. Mas, provavelmente, nenhum veio com mais urgência do que o grupo exausto de nove santos negros que entraram na cidade no final de 1843. Eles foram liderados por uma mulher negra livre, Jane Elizabeth Manning, e tinham andado mais de 800 milhas (1500 km).

Eles não podiam saber, contudo, que Nauvoo seria uma parada temporária. A trégua duraria até que Jane, com o corpo da Igreja, seriam expulsos do Illinois. Ela iria suportar às dificuldades da vida de pioneira, para se tornar parte da primeira comunidade negra no vale de Salt Lake.

Como os nove viajantes fizeram o seu caminho através de Nauvoo, em 1843, Orson Spencer teve a gentileza de encaminhá-los para a casa do Profeta Joseph Smith. A Biografia de Jane registra os acontecimentos e as conversas de seu primeiro encontro com a família do Profeta.

Como Jane e seus seguidores se aproximavam da recém-concluída Mansion House, eles viram uma alta, mulher negra em pé na porta. "Entre, entre," pediu Emma Smith, que os guiou casa a dentro. O Profeta deu uma calorosa saudação e cadeiras extras foram colocadas ao redor da sala para seus convidados novos. Depois de uma rodada de apresentações, Joseph Smith indagou à Jane: “Você tem sido a cabeça deste pequeno grupo, não é?”.

“Sim, senhor", respondeu Jane.”

“Deus te abençoe! Agora eu gostaria de ouvir a suas experiências em suas viagens.” O Profeta recostou-se para ouvir.

Ninguém ia para Nauvoo, sem passar por aventuras. O simples ato de juntar-se a Igreja exigia coragem. Mas o relato que Jane deu ao Profeta sobre a sua vida, conversão e recusa a ser derrotada quando se deparou com preconceito e dificuldade, era incomum. Jane Elizabeth nasceu de Isaque e Eliza Manning em Wilton, Connecticut, no final de 1810 ou início de 1820. Apesar de jovem, ela viveu como uma servo, mas não como escrava, na casa de um próspero fazendeiro branco. Sua adesão aos princípios cristãos (ela era membro de uma Igreja Presbiteriana) ajudou-a na preparação para a mensagem de dois missionários mórmons que viajaram na área onde ela morava. Quando Charles Wandell pregou a mensagem do evangelho restaurado em Connecticut, Jane o abraçou, bem como seus parentes. Preparações foram feitas para o santos imigrarem para Illinois, e Jane e oito membros de sua família se juntaram a um grupo maior de santos que estavam indo a Nauvoo.

Em outubro de 1843, os mórmons viajaram juntos de novo Wilton, Connecticut, à Buffalo, Nova York. Jane registra que a família Manning se separaram do grupo principal do barco quando as autoridades recusaram-lhes a passagem. Como os outros membros do partido Wandell embarcaram no navio, o pequeno grupo de Jane começou a caminhar oito quilômetros até Nauvoo. Jane recordou:

“Fomos, até que os nossos sapatos ficaram desgastados, e os nossos pés ficassem doloridos e rachados – tão feridos que sangram: até se podia ver a marca de sangue de nossos pés no chão. Paramos, e unidos em oração ao Senhor, pedimos a Deus, o Pai Eterno para curar os nossos pés e nossas orações foram respondidas e os nossos pés foram curados imediatamente.”

Ao chegar Peoria, Illinois, os Mannings ficaram intrigados quando as autoridades locais ameaçaram colocá-los na cadeia porque não podiam ser “trabalhadores livres.”

Finalmente, quando foram capazes de convencer os homens que nunca tinham sido escravos eles foram autorizados a prosseguir.

Assustados com a ameaça de prisão, eles estavam ansiosos para seguir em frente, mas foram impedidos por um rio. Não vendo nenhuma ponte ou barco, eles andaram pela correnteza até que a água fria rodeou seus pescoços. Depois, molhados, com frio, medo e fome, eles prosseguiram no caminho, dormindo às vezes numa cabana de madeira, outras vezes em céu aberto, mesmo em meio a neve. Jane lembrou-se da fé que os sustentou, quando ela disse: “Fomos com alegria, cantando hinos, e agradecendo a Deus por sua infinita bondade e misericórdia para nós, nos abençoando ... protegendo-nos ... e curando nossos pés.” Quando eles se aproximaram de La Harpe, Illinois, oraram
para que um bebê doente fosse curado, e ele foi. Foi uma experiência emocionante e deu-lhes uma vigorosa esperança quando eles entraram na cidade de Nauvoo.

Joseph Smith e os outros ouviram atentamente até Jane terminar sua história. “O que você acha disso, doutor?”, disse, batendo no joelho Bernhisel. “Não é que fé?”

“Bem, eu prefiro pensar que é”, foi à resposta do irmão Bernhisel. “Se tivesse sido eu... temo que eu não teria feito tudo isso e voltaria para minha casa.”

Joseph voltou-se para a família Manning. “Deus os abençoe. Estão entre amigos, agora vocês estarão protegidos.”

Eles foram convidados a permanecer na Mansion House, até que outras casas pudessem ser encontrados para eles. Dentro de uma semana todos, com exceção de Jane, foram regularizados e tiveram trabalho garantido. Na manhã que a família deixou o Jane e os Smiths para os seus novos postos de trabalho, o Profeta Joseph encontrou Jane chorando e perguntou o motivo das lágrimas. “Tínhamos tudo, mas saímos e ficamos sem casa... e eu não tenho nenhuma”.

“Sim, você tem”, disse ele, “você tem uma casa aqui se quiser. Você não deve chorar, podemos secar as lágrimas agora”. Ele saiu do quarto e voltou logo com Emma.

“Irmã Emma”, disse ele, “aqui esta uma garota que diz que não tem casa, não tem uma casa para ela?”

Emma ofereceu a Jane a mesma hospitalidade calorosa que ela tinha concedido a um grande número de pessoas com necessidades semelhantes. Ciente de que as lágrimas haviam cessado, o Profeta deixou Emma e Jane para organizar os detalhes.

Jane era uma trabalhadora disposta e falou a Emma sobre suas habilidades. Ela podia lavar e passar roupas e era uma boa cozinheira e governanta. “Quando você estiver descansada”, disse Emma, “você poderá ajudar, se quiser.” Jane começou na manhã seguinte.

Jane continuou a fazer parte da família Smith por vários meses. Enquanto estava lá, ela gostava de ver o relacionamento de Joseph com Emma e outros parentes. Ela visitou muitas vezes a mãe do Profeta, Lucy. Também fez amizade com os outros membros da família, tais como Sarah e Lawrence e Maria Eliza e Partridge Emily.

Quando Joseph Smith se candidatou para o presidente dos Estados Unidos em 1844, Jane deve ter sentido uma particular sensação de gratidão, pois uma das posições do profeta era que “para se quebrar as algemas do homem... negro, devia-se contratá-los para trabalhar como os outros seres humanos”, pois “uma hora de liberdade virtuosa na terra vale uma eternidade inteira de servidão”.

Jane considerava Joseph como “o melhor homem que jamais vi na Terra... Ele era um bom, grande, nobre, belo homem!” Ela conhecia pessoalmente sua bondade e generosidade. A desolação que sentiu com a sua morte foi claramente manifestada quando disse: “Quando ele morreu, alguém que eu gostava muito partiu.”

Jane morava com a família de Brigham Young, durante o período perturbadora entre o martírio e o êxodo. Embora tenha lembrado como “um tempo de agonia e tristeza”, ela foi cortejada por um jovem negro na Igreja chamado Lewis. Antes que Nauvoo fosse abandonada, no entanto, ela se casou com outro negro livre, Isaac James, que também foi membro da Igreja.

Depois que o santos deixaram Nauvoo para irem ao oeste em 1846, Jane deu a luz a seu filho Silas em Winter Quarters, em abrigos inadequados que serviram como casas improvisadas para os mórmons fugitivos. Em 1847, Jane e James Isaac, seu filho Silas, e o filho de Jane Silvestre, foram contados na companhia-líder do acampamento principal. Córregos, fome e tempestades de poeira eram constantes. Provavelmente chegaram ao Vale de Salt Lake, com um grupo antes de 19 de Setembro de 1847.

A família de James e Jane sofreram no primeiro ano no vale. Jane comentou mais tarde sobre a época: “Oh, como eu sofri de frio e fome! A mais aguda dor de todas era ouvir meus pequeninos chorando por pão, e eu não tinha nada para lhes dar.” Ela compartilhou o pouco que possuía com os seus vizinhos. Amigos de Jane, Eliza Partridge Lyman, cujo marido tinha acabado de sair para uma missão para a Califórnia, escreveu:

“13 de abril [1849]... Que o Senhor te abençoe e prospere-los e devolvê-los em segurança. Quando nos deixou não tinha nada para fazer o pão, não tendo como obter um... Jane James, a mulher de cor, deu-me dois quilos de farinha de trigo, sendo metade do que o que ela tinha”.

Trabalhando duro a família de James e Jane conseguiram adquirir uma casa e animais de fazenda. Jane costurou e teceu o panos e roupas para família. A tão desejada prosperidade tornou-se indescritivelmente bela. Quando parecia tudo estava bem, “os gafanhotos e grilos vieram carregando destruição onde quer que fossem.

Nossas lavouras foram para o chão... trazendo pobreza e desolação ao longo deste belo vale.”

Seis filhos nasceram entre 1848 e 1860. O filho de Jane, Sylvester, era um membro da Legião de Nauvoo, em Utah. As crianças ajudaram com as ovelhas, e apesar do número crescente de membros da família suas riquezas aumentaram de forma constante. Três cavalos, um boi, um novo “veículo”. “Apenas quatro outras famílias tinham mais propriedade do que os James [e Jane]”

Mas outro golpe aguardava a família. O marido de Jane, James Isaac, deixou-os em 1869. Ele vendeu sua parte da propriedade de Jane R$ 500. Anos mais tarde, Isaac voltou a Salt Lake, restabelecendo o seu relacionamento com Jane e com a Igreja. Jane realizou seu funeral em sua casa quando ele morreu em 1891.

Durante os vinte anos de separação, Jane continuou administrado a sua casa e guiando sua família. Ela sempre tinha comida de seu quintal. A renda escassa vinha de seus trabalhos como lavadeira, e ela e sua família tiveram que se mudar para uma casa de dois andares. Sua casa foi uma das mais pobres na Oitava Ward, mas a alegria dos filhos, netos, parentes e compensou a ausência de posses materiais.

Jane Manning continuou ativa em sua fé. Ela era um membro fiel da Sociedade de Socorro e, além das atividades regulares da Igreja, ela ajudou com projetos especiais. Jane doou fundos ao Templo de St. George, Logan e Manti, e suas contribuições também foram adicionadas aos fundos de apoio à missão lamanita. O reconhecimento de seu serviço e lealdade foram para além dos limites de sua própria ala, pois as autoridades da Igreja reservavam lugares especiais no Tabernáculo para Jane e seu irmão.

Sua fé destemida, combinada com a sua generosidade, amor à sua família e igreja, levou-a respeitosamente solicitar permissão da Primeira Presidência para sua família para ser selado com ela. Apesar de que a permissão foi negada na época, Jane foi capaz de ser batizada por seus parentes falecidos. (O trabalho do Templo foi feito para Jane e sua família na época do presidente Kimball).

Ao longo de sua vida, Jane manteve-se firme tanto como negra e como mórmon. Ela manteve seu
senso de valor pessoal e dignidade. As dificuldades da vida nunca mudaram seu compromisso declarado ao evangelho. No fim de sua vida, embora quase cega e aleijada por uma queda, ela disse:

“Eu quero dizer aqui, que a minha fé no evangelho de Jesus Cristo, como ensinado pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, é tão forte hoje, ou melhor, se possível, é mais forte do que era o dia que eu fui batizada. Eu pago meus dízimos e ofertas, obedeço à palavra de sabedoria, eu vou para a cama cedo e levanto cedo, eu tento, na minha fraqueza, dar um bom exemplo para todos”.

Quando Jane Elizabeth Manning James morreu em 1908, o Presidente Joseph F. Smith foi uma das autoridades da Igreja, que falou em seu funeral.


Traduzido pelo autor de Jane Manning James: Black Saint, 1847 Pioneer , por Linda King Newell e Tippetts Valeen Avery. Ver: Ensign » 1979 » August: http://www.lds.org/ldsorg/v/index.jsp?vgnextoid=2354fccf2b7db010VgnVCM1000004d82620aRCRD&locale=0&sourceId=fbcc615b01a6b010VgnVCM1000004d82620a____&hideN av=1



Postagens mais visitadas deste blog

Uma ponderação sobre a excomunhão de uma Autoridade Geral

Com grande tristeza, por meio do porta-voz da Igreja, Eric Hawkis, soubemos de que James J. Hamula foi excomungado da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Veja a notícia no site oficial da Igreja aqui. James J. Hamula [1] serviu por quase nove anos como uma Autoridade Geral da Igreja, um membro do Quorum dos Setentas. Fazia 28 anos que nenhuma Autoridade Geral era excomungada da Igreja. Certamente a notícia é triste [2], mas ensina lições importantes – que em vez de abalar, podem fortalecer a fé na obra de Deus. Recomendo a leitura deste artigo antes de prosseguir: https://mormonsud.net/voltando-a-igreja/pensamentos-sobre-a-excomunhao/

OS LÍDERES NÃO SÃO PERFEITOS, MAS A OBRA DE DEUS É Fiquei um pouco aborrecido com o sensacionalismo criado em torno da notícia da excomunhão do irmão Hamula. Sei que é algo incomodo, até perturbador. Alguns ficaram preocupados com a imagem da Igreja, outros, mais sensíveis, com a exposição do irmão Hamula e de sua família. Evidentemente n…

Joseph Smith disse ser maior do que Jesus Cristo?

Joseph Smith é o Profeta da Restauração. Quando era apenas um jovem, um anjo lhe disse que seu "nome seria considerado bom e mau entre todas as nações, tribos e línguas, ou que entre todos os povos se falaria bem e mal de [seu] nome." [1]
Não é de se admirar que falem tão mal sobre o Profeta. Comentando sobre isso, o Elder Neil L. Andersen, do Quorum dos Doze Apóstolos, disse:
“Seria de estranhar o mal que é falado contra ele [Joseph Smith]? Do Apóstolo Paulo foi dito que era louco e delirava. Nosso Amado Salvador, o Filho de Deus, foi rotulado de comilão, beberrão e endemoniado. O Senhor disse a Joseph, quanto a seu destino:
“Os confins da Terra indagarão a respeito de teu nome e tolos zombarão de ti e o inferno se enfurecerá contra ti;
Enquanto os puros de coração e os prudentes (…) e os virtuosos procurarão (…) bênçãos sob tuas mãos constantemente”.
Por que o Senhor permite que o mal seja falado ao mesmo tempo que o bem? Um dos motivos é que a oposição às coisas de Deus …

Nepotismo e o Evangelho de Jesus Cristo

Nepotismo é definido como favorecimento de parentes em cargos de responsabilidade. Uma pessoa que possui determinada posição ou cargo de poder beneficia os que possuem vínculo de parentesco - com um emprego, um cargo, um função, uma posição de destaque ou uma responsabilidade. Trata-se de uma prática ruim, pois geralmente desconsidera o mérito e os talentos para levar em consideração os laços familiares.


O evangelho de Jesus Cristo - que é o Plano de Deus para salvação do homem - ensina que todos os homens são iguais perante Deus (Jó 34:19, Atos 10:34, D&C 38:16 e 26) - irmãos e irmãs - porém, possuem talentos diferentes  (Mateus 25:15) - de modo que podem contribuir no Reino de Deus de maneira diversa (1 Coríntios 12:12-27).

Deus organizou Sua Igreja com diversos cargos para "o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo, [para que] todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida …